Banco faz acordo para facilitar reabertura de embaixadas

Os cubanos querem impor várias restrições à locomoção dos diplomatas americanos em Cuba, que o Departamento de Estado não aceita

iG Minas Gerais | Folhapress |

undefined
AFP
undefined

O Stonegate, um pequeno banco da Flórida, fechou acordo com o governo de Cuba para abrir uma conta que atenda os funcionários e diplomatas do regime comunista nos Estados Unidos.

De acordo com o presidente do banco, Dave Seleski, o banco aceitou oferecer seus serviços aos cubanos após pedido do Departamento de Estado americano. O contrato era um dos entraves para a reabertura da embaixada cubana no país.

"A adoção de serviços bancários facilitará a emissão de vistos de viagens e outras funções associadas a qualquer embaixada em Washington", afirmou Seleski em comunicado.

"Nós esperamos que esse seja o passo inicial para normalizar as relações bancárias entre os dois países, o que vai beneficiar as companhias americanas que querem fazer negócios em Cuba, assim como o povo cubano", disse.

Com sede em Pompano Beach, o banco tinha US$ 1,9 bilhão (R$ 5,7 bilhões) em depósitos ao final do primeiro trimestre deste ano. São 22 agências, a maioria espalhada pelo sul do Estado da Flórida -região com grande concentração de imigrantes cubanos.

Na última quinta-feira (21), diplomatas de Cuba e Estados Unidos se reuniram para a quarta rodada de negociações sobre a reabertura das embaixadas, em Washington, mas ainda não chegaram a um acordo.

Em entrevista, as duas principais negociadoras se limitaram a destacar um "grande progresso" nas discussões, mas que não se trata de "tarefa fácil".

Os cubanos querem impor várias restrições à locomoção dos diplomatas americanos em Cuba, que o Departamento de Estado não aceita.

Do lado cubano, haveria pressão para se acabar com programas financiados pelo governo americano vistos como "desestabilizadores" pelos cubanos, como o de formação de jornalistas e palestras sobre direitos humanos.

O governo de Cuba também exige a retirada do país da lista de nações patrocinadoras do terrorismo, em que foi colocado em 1982, para concluir as negociações com os EUA.

O presidente americano, Barack Obama, já indicou a remoção de Cuba da lista -em que também estão Sudão, Irã e Síria-, em abril. Nesta quinta (28), termina o prazo para que o Congresso questione a decisão, o que não deve ocorrer.

Os dois países anunciaram restabelecimento de relações diplomáticas em dezembro de 2014 e, segundo as principais pesquisas de opinião pública, a maioria dos americanos e dos cubanos aprovam a reaproximação.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave