Facebook deverá retirar postagens ofensivas a prefeito

A decisão do Tribunal de Justiça determinou que deverá ser retirado apenas o conteúdo que denigre a honra e a imagem do prefeito e de sua esposa

iG Minas Gerais | TJMG |

A 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) reformou em parte uma decisão liminar que havia determinado ao Facebook Serviços Online do Brasil a retirada de todas as postagens que envolvem o nome do prefeito de Braúnas, leste de Minas Gerais, que foram publicadas por um usuário da rede social, sob pena de multa diária de R$ 1 mil, limitada a R$ 10 mil.

A decisão do Tribunal de Justiça determinou que deverá ser retirado apenas o conteúdo que denigre a honra e a imagem do prefeito e de sua esposa, e não toda e qualquer publicação que envolva o nome do político – e manteve a multa.

O prefeito ajuizou a ação contra M.R.H.P. e o Facebook. Ele alega que o autor utilizou-se da rede social para denegrir sua imagem, com postagens de imagens manipuladas, com ofensas, insultos, injúria, calúnia e difamação contra ele e sua esposa e também contra uma empresa que possui.

O Facebook recorreu da liminar concedida pelo juiz de Direito da Vara Única da Comarca de Mesquita, alegando que uma pessoa pública está sujeita a críticas dos cidadãos diretamente influenciados por sua gestão.

A empresa afirma que, se há algum conteúdo que ultrapassa a liberdade de expressão, deve ser feita uma análise pormenorizada e individualizada de cada conteúdo específico, e não a exclusão de extensa lista fornecida, sem que haja efetivo juízo de valor acerca de todas as postagens indicadas.

Ao julgar o recurso, a relatora, desembargadora Mariângela Meyer, entendeu que o prefeito “é pessoa pública que está sujeita ao crivo da sociedade e suas ações despertam o interesse público, podendo ser alvo de manifestação.” Contudo, a desembargadora verificou que muitas das postagens “têm como finalidade exclusiva a ofensa e a exposição da intimidade e da vida privada do prefeito e de sua esposa, que sequer ocupa cargo público.” “Ora, existe uma grande diferença entre o cidadão se irresignar com a atuação de seu representante e o fato de atribuir-lhe incontestáveis adjetivos ofensivos e injuriosos”, afirmou, “na medida em que estes afetam diretamente a honra subjetiva daquele e benefício algum traz à população local.” Assim, a relatora reformou em parte a decisão liminar, determinando a retirada especificamente de 55 postagens que, segundo a magistrada, abusam do direito à liberdade de expressão e atentam contra a imagem, a honra, a intimidade e a vida privada do prefeito e de sua família, bem como à imagem e a confiabilidade de sua empresa. A relatora determinou também que o autor da ação indique as URLs dos conteúdos especificados, no prazo de 15 dias, a contar da publicação da decisão, que ocorreu dia 22 de maio. Os desembargadores Vicente de Oliveira Silva e Álvares Cabral da Silva acompanharam a relatora.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave