BH participa de Dia de Luta contra a redução da maioridade penal

Praça Sete receberá diversos atos e apresentações para marcar o dia contra a redução, que acontece em todo o país

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Imagem da campanha Amanhecer, também contra a redução da maioridade penal
divulgação/ amanhecer
Imagem da campanha Amanhecer, também contra a redução da maioridade penal

Nesta quarta-feira (27) acontece em todo o Brasil o Dia Nacional de Luta Contra a Redução da Maioridade Penal, que é quando diversos movimentos se mobilizam em campanhas contra a redução. Em Belo Horizonte, a programação repleta de debates e apresentações começa às 18h na praça Sete.

"O evento nacional vem reafirmar que a proposta de redução da maioridade penal de 18 para 16 anos é uma proposta descabida, desinformada e perigosa porque seus efeitos vão levar a uma situação exatamente contrária do que dizem ser seu objetivo, ou seja, não irá diminuir a violência", conta a psicóloga, psicanalista e coordenadora geral do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente de Minas Gerais, Liliane Maria, que também é integrante do movimento "Minas diz não à redução".

A abertura do evento em BH será feita por integrantes do “Minas diz não à redução” e será aberto um espaço para diálogo. Ao longo da noite, o evento contará com apresentações culturais, como a percussão dos adolescentes do bairro Ribeiro de Abreu, grupo de rap de Nova Lima, duelo de MCs, sarau de poesias e esquetes teatrais. Além disso, haverá oficina de produção de camisetas e projeções de imagens e frases, organizadas pelo movimento.

O Dia Nacional de Luta Contra a Redução da Maioridade Penal é resultado de uma mobilização que começou quando a PEC 171, de 1993, voltou à pauta de votação na Câmara dos Deputados. A PEC foi aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara e agora está em tramitação na Comissão Especial da Casa. De acordo com Liliane Maria, o movimento em Minas Gerais tem desenvolvido ações diversas com a sociedade, com a rede de atendimento a adolescentes, com universidades e movimentos religiosos.

"No dia 27, vamos às ruas defender que a adolescência brasileira tenha garantido o direito ao tempo e aos recursos que precisa para tornar-se adulto, com acesso a políticas de Educação, Saúde, Lazer, Cultura, Segurança e Justiça e Trabalho", afirma.

Para a integrante do Fórum das Juventudes da Grande BH e do movimento "Minas diz não à redução", Carol Abreu, a luta deve ser pelo fortalecimento do sistema socioeducativo e pela garantia de acesso à justiça e aos direitos fundamentais de adolescentes e jovens. De acordo com ela, essas são medidas muito mais efetivas para a redução da violência do que a redução da idade penal.

"Além disso, é a juventude negra, pobre e moradora de quebradas e periferias que está sendo morta e encarcerada no Brasil, vítima de uma política de segurança pública míope e racista", atesta a comunicóloga.

Dados

O Mapa da Violência 2015, divulgado este mês, mostra que  24.882 pessoas entre 15 e 29 anos morreram em decorrência do disparo de algum tipo de arma de fogo, o que corresponde a 59% dos 42.416 óbitos desse tipo registrados em 2012. Em relação à cor, as armas de fogo vitimaram, em 2012, 10.632 brancos e 28.946 negros, o que representa 11,8 óbitos para cada 100 mil brancos e 28,5 para cada 100 mil negros.

Confira a programação do evento em BH:

18h: Abertura - Fala “institucional” do Minas Diz Não 18h15: Percussão Adolescentes do Ribeiro de Abreu e Oficina de camisetas 18h45: Grupo de rap de Nova Lima 19h10: Lançamento da Conferência de Juventude de Belo Horizonte 19h30: Lançamento do vídeo do Flash Mob 19h45: Sarau Vira-Lata e projeção de informações e imagens “Minas Diz Não” 20h30: Poesia (Fórum das Juventudes) 20h40: Duelo de MCs 21h30: Esquete teatral

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave