CVM não atende acionista, e Petrobras mantém votação sobre balanço

O pedido dos fundos Ibiúna, brasileiro, e HBK, americano, era fundamentado no pedido de que a CVM analisasse se é correta a proposta de não pagar a remuneração aos acionistas

iG Minas Gerais | Folhapress |

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) decidiu não atender o pedido de dois fundos de investimento que têm ações da Petrobras para suspender a assembleia de acionistas da estatal, agendada para a tarde desta segunda-feira (25), e determinou a manutenção da reunião -que deve começar nos próximos minutos.

A decisão foi tomada na última sexta-feira (22), em reunião extraordinária da diretoria da CVM agendada especificamente para analisar a solicitação dos acionistas, que procuram dessa forma receber dividendos.

A pauta da assembleia tem como item principal a aprovação das demonstrações contábeis da empresa de 2014, quando registrou prejuízo de R$ 21,6 bilhões, resultante de baixas de R$ 6,2 bilhões, atribuídos a pagamentos indevidos em esquema de corrupção, e R$ 44,6 bilhões referentes a perdas em valores de ativos.

A empresa também vai submeter aos acionistas a decisão de não pagar dividendos relativos a 2014, em função do prejuízo registrado.

O pedido dos fundos Ibiúna, brasileiro, e HBK, americano, era fundamentado no pedido de que a CVM analisasse se é correta a proposta de não pagar a remuneração aos acionistas.

Na avaliação dos fundos, a Petrobras dispõe de reservas que podem dar apoio ao plano de investimentos e também ao pagamento de remuneração aos acionistas.

Na ata da reunião que decidiu pela não suspensão da assembleia, a diretoria da CVM disse que, "em relação ao pedido de interrupção em si, e independentemente da discussão relacionada à natureza da assembleia em questão, não detectou, de plano, ilegalidade na proposta da administração da Companhia de não distribuir dividendos".

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave