Gerentes estão sendo treinados para “vender” as vantagens

iG Minas Gerais |

Diante das últimas restrições ao crédito imobiliário, com o aumento das taxas de juros de Caixa e Banco do Brasil e redução do valor máximo financiado, os bancos trabalham para ampliar a participação do consórcio na aquisição da casa própria. Atualmente, de cada cem bens entregues, 15 são por meio de consórcios. Há dez anos, o número era de apenas dois.

Para aumentar a adesão dos clientes à modalidade, os gerentes estão sendo treinados para ofertar o produto como mais atrativo que os financiamentos, que passaram a ser cada vez mais seletivos e caros por causa da falta de recursos. As instituições financeiras afirmam que as construtoras e incorporadoras já as procuraram para garantir a abertura de novos grupos de consórcios de imóveis.

Para o diretor da Caixa Seguradora, Maurício Maciel, as mudanças adotadas pelos bancos, incluindo elevação de juros e, principalmente, a redução de 50% do percentual máximo financiado de imóveis usados, permitirá que o consórcio capture essa fatia do mercado que ficou perdida. No ano passado, 58% dos 375 mil imóveis financiados com recursos da poupança eram usados. Pelos cálculos da Caixa Seguradora, se as novas regras fossem aplicadas nos dados de 2014, praticamente 150 mil moradias não se enquadrariam nas regras para serem financiadas.

“O consórcio é uma boa alternativa para desatar esse nó da economia. Ainda temos espaço para crescer quatro vezes mais do que nossa carteira”, garante Maciel. A Caixa Seguradora tem R$ 13,2 bilhões em consórcios. Com crédito abundante, o financiamento sempre foi visto como mais vantajoso, porque permite ao consumidor ocupar o imóvel e se livrar dos gastos do aluguel. (AD com agências)

 

 

 

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave