Polícia de Washington prende suspeito de assassinatos em mansão

Wint era procurado pelo brutal assassinato de uma rica família de Washington que comoveu a cidade, caracterizado pela prefeita Muriel Bowser como um ato diabólico

iG Minas Gerais | AFP |

Depois de investigar uma pista de DNA recolhida em restos de pizza, as autoridades norte-americanas prenderam o suspeito do assassinato de uma família em Washington.

Daron Dylon Wint foi preso na capital federal, disse à rede CNN o comandante Robert Fernandez, da polícia federal (U.S. Marshals). Três homens e duas mulheres também foram detidos com ele.

A polícia de Washington declarou em um breve comunicado que o suspeito foi preso na quinta-feira (21) às 23h00 locais (00h00 de Brasília).

Wint era procurado pelo brutal assassinato de uma rica família de Washington que comoveu a cidade, caracterizado pela prefeita Muriel Bowser como um ato diabólico.

Savvas Savopoulos, um rico executivo, sua esposa Amy, seu filho Philip, de 10 anos, e uma de suas empregadas, Veralicia Figueroa, foram assassinados no dia 13 de maio em sua mansão, em um bairro abastado de Washington.

As vítimas foram amarradas e espancadas, e depois a mansão foi incendiada deliberadamente um dia após o assassinato.

Um Porsche azul de Savopoulos, que era gerente do American Iron Works, havia sido roubado, mas horas após o homicídio as autoridades o encontraram abandonado ou incendiado a vários quilômetros da cena do crime.

Fontes não identificadas e documentos da justiça apontaram que um pacote com 40.000 dólares em dinheiro havia sido entregue na residência por um dos assistentes de Savopoulos pouco antes do incêndio.

A polícia identificou o DNA de Wint, de 34 anos, na crosta de uma fatia de pizza, que havia sido enviada à mansão de Savopoulos na noite do crime, enquanto as vítimas aparentemente estavam cativas.

Wint é acusado de assassinato em primeiro grau, mas um ex-advogado dele declarou à rede CNN que a polícia pegou o homem errado.

"Não foi ele. É um homem agradável. Um patriota", declarou o advogado Robin Fickers.

Leia tudo sobre: assassinatos em mansãoPolíciaWashington