Pagamentos de lobista preso a Dirceu são suspeitos, diz Moro

Outra justificativa do juiz para decretar a prisão foi a de que as condutas criminosas de Pascowitch podem ter beneficiado políticos e partidos

iG Minas Gerais | Folhapress |

Moro manda soltar sócios da Arxo presos na Lava Jato
J. F. DIORIO/ESTADÃO CONTEÚDO - 11.9.2008
Moro manda soltar sócios da Arxo presos na Lava Jato

Na decisão em que decretou a prisão do empresário Milton Pascowitch na 13ª fase da operação Lava Jato, o juiz federal Sergio Moro apontou que os pagamentos feitos por Pascowitch à empresa de consultoria do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu em 2012 são suspeitos, uma vez que naquele ano Dirceu enfrentava o processo do mensalão.

"Causa certa surpresa que R$ 1.157.954,70 tenham sido pagos durante o ano de 2012, quando o Plenário do Supremo Tribunal Federal julgava, na Ação Penal 470, a acusação formulada pelo Procurador Geral da República contra José Dirceu, o que coloca em dúvida se poderiam ter por causa prestação de serviços de consultoria", escreveu o juiz.

Outra justificativa do juiz para decretar a prisão foi a de que as condutas criminosas de Pascowitch podem ter beneficiado políticos e partidos.

De acordo com o magistrado, "a gravidade concreta da conduta de Milton Pascowitch é ainda mais especial, pois há indícios de que propinas também foram pagas, por seu intermédio, para agentes políticos e para financiamento político, o que compromete a integridade do sistema político e o regular funcionamento da democracia. O mundo do crime não pode contaminar o sistema político-partidário".

Moro apontou que a prisão de Pascowitch é necessária porque há provas de que ele mantém contas no exterior, que já foram usadas para pagar propina ao ex-gerente de Engenharia da Petrobras Pedro Barusco, o que permitiria que ele continuasse a cometer crimes sem a possibilidade de fiscalização das autoridades brasileiras.

As contas no exterior também mostram que há "risco concreto de fuga", pois com os recursos nela depositados Pascowitch teria meios para deixar o país.

O juiz federal também determinou o bloqueio de bens do empresário.

Leia tudo sobre: José Dirceulava jatolavajatoSérgio Moro