Dia Nacional do Glaucoma é momento para refletir sobre a doença

No Brasil, ainda não existe a consciência da gravidade do glaucoma. É preciso apostar na promoção da visão, que consiste em repassar informações à população sobre os meios de evitar doenças ou a perda visual

iG Minas Gerais | Da Redação |

O glaucoma é uma doença que apresenta desafios para o paciente e para o oftalmologista.
O glaucoma é uma doença que apresenta desafios para o paciente e para o oftalmologista.

O Dia Nacional do Glaucoma, em 26 maio, é um momento para a flexão sobre a doença e como ela afeta a qualidade de vida dos pacientes que são acometidos por este mal, lembrando que  pevenir a cegueira ainda é um dos grandes desafios da Oftalmologia. “No Brasil, ainda não existe a consciência da gravidade do glaucoma. É preciso apostar na promoção da visão, que consiste em repassar informações à população sobre os meios de evitar doenças ou a perda visual,  afirma o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

O glaucoma faz parte de um grupo de doenças oculares que, gradualmente, ‘roubam a visão’ sem aviso prévio e, não raro, sem sintomas. A perda da visão é causada por um dano no nervo óptico. Durante muito tempo, acreditou-se que a pressão intraocular (PIO) alta era a principal causa desse dano ao nervo óptico. "Embora a pressão intraocular alta seja um fator de risco, atualmente, é sabido que outros fatores também devem ser levados em conta”, afirma o oftalmologista.

A especialista em glaucoma do IMO, a oftalmologista Márcia Lucia Marques aborda novidades sobre a prevenção, o diagnóstico, o tratamento e o manejo da doença por pacientes e oftalmologistas. "Pense em alguém que você conheça que tem glaucoma. As chances de que essa pessoa seja um idoso são grandes, pois a doença afeta mais de 2,2 milhões de americanos com mais de 40 anos de idade, com a maior incidência de casos a partir dos 70 anos ou mais!, esclarece a médica.

A Sociedade Brasileira de Glaucoma aponta cerca de 900.000 portadores da doença no Brasil, provavelmente, 720.000 são assintomáticos. Dentre os fatores de risco conhecidos para a doença, a idade é responsável pelo aumento considerável da incidência e da prevalência de glaucoma. O glaucoma é uma doença que apresenta desafios para o paciente e para o oftalmologista.

Quando o glaucoma é tratado em seus estágios iniciais, a perda da visão pode ser prevenida. No entanto, os estudos mostram que mais da metade dos pacientes com glaucoma não aderem aos planos de tratamento prescritos devido a fatores que incluem dificuldades em aplicar colírios, falta de educação sobre a medicação e esquecimento.

Muitos pacientes lutam diariamente para aderir ao tratamento do glaucoma, especialmente os que estão gerenciando outros problemas de saúde ao mesmo tempo. "Mas, para cada dificuldade, há uma solução, que pode ser desenvolvida para cada paciente. Não tenha medo de perguntar ao oftalmologista tudo o que você precisa saber sobre o tratamento do glaucoma", indica a médica.

O glaucoma é uma doença que, por suas características clínicas e seu prognóstico visual requer comprometimento do paciente com o tratamento. Trata-se de uma doença crônica que deve receber acompanhamento e tratamento prolongados, condições que podem prevenir a cegueira. A falta de adesão ao tratamento pelo paciente é uma causa importante de controle inadequado de pressão intraocular.

São muitos os pacientes em tratamento que deixam de usar os medicamentos antiglaucomatosos corretamente. É de extrema importância a manutenção e o reforço das orientações médicas durante todo o tratamento, pois assim como a diabetes e a hipertensão arterial, o glaucoma não tem cura, mas é passível de controle, garantindo a qualidade de vida do paciente. Confira o vídeo realizado pelo Instituto de Moléstias Oculares, em que a oftalmologista Márcia Lucia Marques  traz mais informações sobre o glaucoma.

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave