Programa ensina a modelar o corpo sem uso de aparelhos

Especialistas alertam para o risco de lesão e sugerem acompanhamento

iG Minas Gerais | Lucas Alvarenga |

Malhação. 
Sedentária, Chaienne Cássia aderiu ao Insanity assim que viu sua amiga emagrecer, porém ela não buscou orientação médica
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Malhação. Sedentária, Chaienne Cássia aderiu ao Insanity assim que viu sua amiga emagrecer, porém ela não buscou orientação médica

Não é de hoje que as pessoas usam vídeos para malhar. Na década de 80, a atriz Jane Fonda lançou a tradição de gravar aulas de aeróbica de alto impacto em fitas VHS. Essa tradição foi renovada recentemente pelo Insanity Workout (Malhação Insana, em tradução livre), programa composto por 14 intensas videoaulas, com chutes, pulos, abdominais, flexões de braços e joelhos e polichinelos, organizadas em sequências longas de atividades. Os exercícios buscam melhorar a potência, a resistência, a recuperação e o equilíbrio corporal e fazer com que o praticante perca peso e ganhe massa muscular. O programa, que é do personal trainer e coreógrafo norte-americano Shaun Thompson, vem causando frisson nos Estados Unidos e começa a conquistar adeptos no Brasil, como a jornalista Fernanda Gentil. Com o programa, todo o esforço do praticante é feito com o peso do próprio corpo. Pessoas sem tempo ou paciência para academia, como a analista de sistemas Chaienne Cássia Magalhães também estão aderindo. “Eu era sedentária. Quando vi a minha amiga emagrecer com o programa, resolvi usar o Insanity por um mês e meio. No primeiro mês, eu perdi 3 kg e já me sentia mais disposta no dia a dia”, relata. Assim que conheceu o programa, Chaienne Cássia fez o download dos vídeos – que custam cerca de R$ 400 – e começou a usá-los, mesmo sem orientação médica. Ela conta que o idioma em inglês não foi empecilho. A única queixa foram as dores musculares nos primeiros dias. Hoje, ela continua a malhar com o Insanity, mas fora de casa. “Todas as terças e quintas-feiras faço aulas com o programa na academia. Juntei a antiga rotina de treinos em casa à orientação de um profissional”, ressalta. O programa. O produto contém videoaulas, um calendário com a sequência do programa e planilhas para o registro dos resultados obtidos. Os vídeos do primeiro mês duram 40 minutos, enquanto as quatro últimas semanas têm 50 minutos. Há uma semana de atividades mais moderadas entre elas. Os exercícios devem ser praticados seis vezes por semana, com um dia de descanso. Os primeiros dez minutos de cada aula são dedicados ao aquecimento intenso e os dez últimos ao alongamento. No início do programa e a cada 15 dias são feitas avaliações de condicionamento físico para detectar a evolução do adepto. “Com a correria diária, é interessante usar vídeos para malhar, desde que haja orientação”, assegura o personal trainer Romney Esteves. Site oficial: www.shauntfitness.com.

Indicação

Para poucos? De acordo com especialistas em saúde, o Insanity Workout garante o que promete em pessoas mais jovens, com leve sobrepeso e que conheçam os limites do próprio corpo.

Orientação profissional é essencial, explica especialista

A frase “o importante é se exercitar” faz parte do senso comum, mas o ortopedista Marco Túlio Lopes Caldas alerta o exercício deve ser supervisionado. Para o membro da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte (Sbrate), toda atividade física deve ser feita com o acompanhamento de um cardiologista e de um ortopedista, que vão orientam como evitar lesões e atestam a capacidade física da pessoa e qual é a carga de exercícios adequada. “Há vídeos de malhação que orientam as pessoas a procurar um médico, mas elas ignoram o aviso, pois querem resultados instantâneos. Isso é perigoso”, alerta Caldas. Para o personal trainer Romney Esteves, a ausência de aparelhos do Insanity pode ser benéfica, pois faz a pessoa a suportar o próprio peso, mas dá um alerta: sem as máquinas, certas atividades ficam mais intensas.

Máximo cuidado Lesões. Nenhum praticante de esportes está imune às contusões. Para o ortopedista Marco Túlio Lopes Caldas, é preciso ficar atento àquela dor contínua. Erros. A postura incorreta ou os excessos na execução das atividades podem aumentar as chances de lesões por sobrecarga, como os estiramentos e as tendinites – inflamações do tendão, que diminuem a força e a flexibilidade do membro afetado. Alongar sempre. Caldas lembra que o ideal é se aquecer antes e fazer um alongamento por último, para relaxar os músculos e diminuir o risco de lesões. Ao fim da atividade, o músculo já está aquecido e o praticante já sabe os limites que pode alcançar.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave