Criança terá nome da mãe e de dois pais na certidão de nascimento

Pai biológico solicitou a exclusão no documento do nome do pai de criação do menor, mas Ministério Público decidiu manter os dois

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Uma criança de Alvinópolis, cidade da região Central do Estado, terá o nome da mãe e de dois pais na certidão de nascimento. Ação foi proposta pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a Justiça acatou. 

Segundo a promotora de Justiça Cyntia Campos Giro, o pai biológico ajuizou ação de anulação de registro civil, pretendendo a inclusão de seu nome na certidão de nascimento da criança e a consequente exclusão do nome do pai que registrou o menor. No entanto, levando em conta o vínculo socioafetivo entre o homem que constava do registro e a criança, o Ministério Público opinou pela permanência dos dois pais no documento.

Governador Valadares

Há um ano atrás, em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, uma decisão semelhante também levou uma mulher de 40 anos a ter dois pais em seu registro civil. No caso, a filha decidiu requerer o reconhecimento de seu pai biológico, que se recusara a assumir a paternidade, mas já tinha um pai socioafetivo, pois foi registrada aos seis anos pelo marido da mãe.

A paternidade foi reconhecida por meio de exame de DNA e o nome do pai biológico incluído na certidão de nascimento. “A retificação do registro civil era importante para a autora e sua família, uma vez que, ao mesmo tempo que buscava o reconhecimento do pai biológico, ela não queria que fosse retirado o nome do pai socioafetivo, que, afinal, foi quem teve com ela, ao longo de toda a vida, um relacionamento paternal”, explicou o promotor de Justiça Ulisses Lemgruber França.

Para o coordenador de Defesa do Direito de Família do MPMG, procurador de Justiça Bertoldo Mateus de Oliveira Filho a decisão judicial reverencia a multiparentalidade como instrumento de ampliação do conceito de família, inaugurando, em Minas Gerais, uma exegese construtiva do parentesco. “É que sendo a filiação não apenas um fenômeno da vida, mas principalmente um estado social inerente ao princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, certamente que não se resume a aspectos subjacentes da consanguinidade”, disse ele.

Com MPMG.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave