Servas, MP e TJMG atuarão juntos em prol dos moradores de rua

Documento que dá início aos diálogos entre os três órgãos foi assinado na tarde desta quarta-feira (20)

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Primeira-dama de Minas e presidente do Servas, Carolina Oliveira Pimentel, participou do ato de assinatura
Omar Freire / Imprensa MG
Primeira-dama de Minas e presidente do Servas, Carolina Oliveira Pimentel, participou do ato de assinatura

Foi assinado nesta quarta-feira (20) um Termo de Cooperação Técnica entre o Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), com o objetivo de de integrar os esforços em prol da população de rua de Belo Horizonte. Em março deste ano, O TEMPO publicou uma série de reportagens que levou o nome de "Uma Cidade Invisível" que apontava que a capital mineira conta com 1.827 moradores de rua e apenas 952 em abrigos. 

"O que dói não é só a fome, nem a solidão. O que dói mesmo é o olhar das pessoas". A frase da moradora de rua Lúcia Machado, que foi usada na abertura de uma das matérias do especial de O TEMPO, foi citada pela primeira-dama do Estado e presidente do Servas, Carolina Oliveira Pimentel, durante o ato de assinatura do documento. Para ler as reportagens do especial basta clicar AQUI!

A parceria entre as três instituições visa resgatar os direitos dessa população, que, em sua maioria, não tem moradias tradicionais, possui baixa escolaridade e laços familiares fragilizados.O objetivo da parceria entre os três órgãos é ir além das ações já voltadas para os moradores de rua, promovendo a sensibilização da sociedade para a necessidade dessa causa e para combater o preconceito sofrido por eles. 

“As ações vão desde as primeiras conversas com os moradores, para saber de perto suas necessidades, passando pelo acesso à Justiça, pela garantia de seus direitos, até, quem sabe, projetos de profissionalização dessa população, já que muitos desenvolvem algum tipo de trabalho e a maioria está no setor informal”, afirma Carolina.

Plano de ação dentro de dois meses

O documento assinado prevê a formação de um grupo com dois representantes de cada instituição, sendo que dentro de 60 dias um plano de trabalho deverá ser apresentado. O convênio permite que outros órgãos e entidades interessados participem das ações para a população de rua.

“Estamos muito satisfeitos com mais essa parceria com o Ministério Público e com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Em dez anos, a população de rua aumentou quase 60% e é impossível fechar os olhos para a vulnerabilidade e a extrema miséria em que vivem. Juntos vamos unir os esforços para tentar reverter esse cenário”, ressaltou a presidente do Servas.

Leia tudo sobre: servasmptjmgparceriaconvênioatuaçãomoradores de ruamedidasauxíliopolíticas