Novo ministro Fachin será relator de denúncia contra Renan Calheiros

Após ser aprovado no Senado com 52 votos a favor, advogado assume lugar de Joaquim Barbosa e tem cerca de 1000 processos como 'herança', segundo jornal

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Governo mobiliza aliados para aprovar nome de Fachin no Senado
Anoreg / Divulgação
Governo mobiliza aliados para aprovar nome de Fachin no Senado

Aprovado no Senado com 52 votos a favor e 27 contra, Luiz Edson Fachin assume cargo no Supremo Tribunal Federal (STF) com heranças como a denúncia contra o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) e outros 1000 processos. As informações são da coluna Painel, públicada no jornal 'Folha de S. Paulo'.

No caso de Calheiros, denúncia feita em 2013 pelo ex-procurador geral Roberto Gurgel acusa o senador por peculato, falsidade ideológica e uso de documento falso.

Segundo a 'Folha', o inquérito investiga pagamentos feitos por Calheiros, usando dinheiro de empreiteira, para quitar pensão de uma filha que ele tem fora do casamento.

O processo a princípio pertencia a Ricardo Lewandowsky, atual presidente do STF, agora está sob a relatoria de Fachin. Na votação realizada no Senado na terça-feira (20), para definir a permanência do advogado no cargo de ministro, Renan Calheiros foi um dos que votou contra.

Apesar de assume vaga de Joaquim Barbosa no STF, Luiz Fachin ficará com demanda destinada a Lewandowski. Os processos de Barbosa foram assumidos pelo ministro Luis Barroso.

Leia tudo sobre: ministroFachinrelatordenúnciaRenanCalheiros