O amparo nas horas difíceis

Dátolo, que falhou contra o Inter, mas foi bem recebido no aeroporto, é um dos exemplos do grupo

iG Minas Gerais | Fernando Almeida |

Saber que milhões te apoiam, desejam que você vença sempre, triunfe a cada desarme, toque e chute. Nunca esquecer que a taça é o objetivo final e que muitos estarão a seu lado para empurrá-lo, tornando essa árdua missão algo mais simples, mais palpável.

Mesmo diante da eliminação na Copa Libertadores, torcedores do Atlético resolveram que o momento era de apoiar a equipe alvinegra, cientes de que o grupo está pronto para deixar de lado a inconstância e vencer o Campeonato Brasileiro no longo e penoso caminho dos pontos corridos.

Antes alvo de vaias de alguns, Dátolo falhou em Porto Alegre contra o Internacional, mas foi abraçado pelos atleticanos presentes no aeroporto de Confins, durante o desembarque. A resposta em campo foi imediata: boa atuação, premiada com um gol diante do Fluminense, no estádio Mané Garrincha.

“O torcedor espera muitas coisas, sou um cara forte, que luta muito. É uma resposta boa, primeiramente. Quero demonstrar a todos que posso fazer grandes jogos e que meu compromisso será o máximo. Estou feliz pelo gol e pela vitória. Preciso continuar nesse ritmo”, ponderou Dátolo.

“Me senti bem, acolhido. Fazia tempo que uma torcida não fazia isso por mim. Agradeço ao torcedor, o verdadeiro torcedor, que estava gritando meu nome e o dos meus companheiros. Fazia tempo que eu não sentia isso”, completou o meio-campista argentino.

Dátolo não foi o primeiro a sentir esse carinho da torcida e se reerguer após criticas pontuais da Massa (confira abaixo outros exemplos recentes). O torcedor, agora, espera que o elenco alvinegro coloque em campo todas as inspiração vindas das arquibancadas para que o time, enfim, levante o caneco do Brasileirão 2015.

Atleta torcedor. A torcida do Atlético ressalta e valoriza os jogadores que vestem a camisa e encarnam o espírito atleticano, o que, ao mesmo tempo, faz o atleta se sentir em casa e adotar o clube como parte da vida. “Entra funcionário e sai torcedor”. Esse é o lema que costuma ser adotado pela Massa.

O fato pode ser comprovado por alguns recentes ex-jogadores do Atlético. Marques, Bernard, Diego Tardelli e Ronaldinho Gaúcho são os principais nomes a ilustrarem essa realidade.

Mesmo já desligado do elenco, o quarteto leva o Galo para onde for, usando principalmente as redes sociais para deixar claro o carinho pelo clube preto e branco, indicando que estarão torcendo sempre por novas conquistas de título.

Em outros clubes

Vasco. Em abril, contra o Rio Branco-AC, o meia Bernardo foi vaiado e xingado por torcedores vascaínos. O jogador pediu para deixar o campo e foi aplaudido por outros torcedores do Vasco.

Inter. No mesmo mês, o lateral-esquerdo Fabrício foi vaiado pela torcida do Colorado, ficou revoltado e jogou a camisa no chão após ser expulso. O jogador foi para o Cruzeiro e, em sua apresentação, pediu desculpas pelo ato.

Em alto-astral, Dátolo completa 31 anos de idade A vida não é feita só de bons momentos. Mas são exatamente as alegrias e as conquistas que mais ficam na lembrança. Foi entre recordações dos títulos, gols e assistências em sua trajetória no Atlético e o apoio recebido pela Massa na semana passada, que o meia Dátolo completou 31 anos nesta terça. O tento anotado sobre o Fluminense, mais do que um presente adiantado, serviu como redenção, depois de dois jogos ruins realizados contra o Internacional, pelas oitavas de final da Libertadores, e o gás necessário para dar a volta por cima e reeditar os dias de glória. Um período positivo que fez parte do cotidiano do atleta no Brasileiro e, sobretudo, na Copa do Brasil de 2014. “O gol foi uma resposta para mim. A primeira pessoa que tem de acreditar em mim sou eu mesmo. O torcedor espera muitas coisas. Sou um cara forte, que luta muito. É uma resposta boa, primeiramente. Tenho de demonstrar a todos que posso fazer grandes jogos e que meu empenho será máximo. Estou feliz pelo gol e pela vitória, e preciso continuar nesse ritmo”, destacou o armador. O argentino computa 79 partidas. Seus 11 gols o colocam como o maior artilheiro estrangeiro da história do Galo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave