Quando a fotografia frutifica

Paixão pelas imagens uniu Victor Alcântara e Lívia Cristina, que abrem a exposição “Ausência” na Aliança Francesa

iG Minas Gerais | RAFAEL ROCHA |

Carvoaria. 
Cenas do interior de Minas Gerais, como as cidades de Morro Vermelho e Serro, alicerçam o trabalho dos jovens fotógrafos
Livia Cristina
Carvoaria. Cenas do interior de Minas Gerais, como as cidades de Morro Vermelho e Serro, alicerçam o trabalho dos jovens fotógrafos

Quem diria que no balcão de uma loja de fotografia um casal fosse se conhecer, namorar e, cinco anos depois, montar juntos uma mostra das fotografias de suas viagens pelo interior de Minas Gerais. Foi assim o encontro de Victor Alcântara e Lívia Cristina, que abrem nesta quarta a exposição “Ausência”, na Aliança Francesa.

O romance parece ter sido inspirador e frutífero, apesar dos laços íntimos terem sido rompidos há pouco. A série de oito imagens configura belo apanhado de paisagens mineiras. “Eles têm fotografias maravilhosas do interior, com muita emoção sem cores e uma peculiar visão sobre dimensões e composição da natureza”, avalia Pierre Alfarroba, diretor da Aliança Francesa. Ele é um dos membros do júri que escolheu sete artistas que irão expor seus trabalhos no local durante o ano, dentro da temática “Tous les moyens sont bons” (todos os meios são bons).

As fotografias da delicada mostra que abre a série foram produzidas com filme cinematográfico e reveladas em preto e branco. A escolha entrega um pouco do olhar, digamos, romântico do casal. “Gostamos dessa materialidade da fotografia, de mexer com negativo, com revelação”, diz Lívia.

Os flagrantes que saíram das câmeras analógicas da dupla foram feitos durante cinco anos de viagens realizadas pelo interior mineiro. Sempre de carro, os fotógrafos se perdiam em rincões nem sempre lembrados, como as cidades de Serro, Diamantina e Morro Vermelho. Um olhar meticuloso desses jovens fotógrafos, especialmente sobre aquilo que não está exposto, é revelado na sequência de paisagens.

Dos galhos repletos de entranhas Victor consegue tirar beleza, enquanto Lívia retrata a solidão de um homem desabitado na linha do horizonte, ou de um garoto que anda de bicicleta num campo de futebol rodeado por uma plantação de eucaliptos. “Essa árvore está ali, mas mata tudo ao redor, não deixa nada crescer”, reflete a artista. Partindo dessa boa metáfora, um certo abatimento insiste em saltar dessas fotografias.

A presença das árvores, alias, é intermitente. Elas dão respiro a todas as imagens expostas. “Gosto dessa busca por vida onde aparentemente não há”, pontua a fotógrafa. Mas há, felizmente, contrapontos entre os trabalhos. Enquanto Lívia prefere paisagens bem abertas e amplas, Victor opta por direcionar suas lentes a cenários mais fechados e um tanto sufocantes. Muito dessas estampas interioranas certamente resultam de laços familiares com essas pequenas cidades. “Gosto muito dessas paisagens. Meus pais são do interior e minha avó é de Morro Vermelho. Temos casa lá”.

Não por acaso, a fotografia intitulada “Carvoaria” é uma das que melhor evidenciam a noção de incompletude que o casal afirma ter tido como objetivo artístico, daí o título “Ausência”. Uma espécie de passarela sem nenhuma função aparente ocupa todo o cenário desolador. “Essa ponte só tem sentido quando o caminhão chega e as pessoas sobem lá para colocar o carvão”, explica.

Esse mesmo passado também é o culpado por Lívia ter descoberto a fotografia. Atualmente tradutora, ela se iniciou no ambiente das imagens graças à rebeldia de sua mãe. Ao completar 15 anos – hoje ela tem 26 –, pediu de presente um baixo, mas a mãe preferiu dar à filha uma câmera fotográfica. “Amei o presente e comecei a andar com ela para todo canto”, relembra.

O casal, na verdade, é um ex-casal. Victor é antropólogo e teve que se mudar no mês passado para Santarém, no Pará, por motivos de trabalho. Eles terminaram o relacionamento e Victor não estará presente na abertura da mostra.

A série de exposições continua até o mês de dezembro, com artistas que trabalham com suportes variados. A próxima mostra do calendário será a da dupla Drin Cortes e Douglas Resende.

Programe-se

O QUÊ. Abertura da exposição “Ausência”, dos fotógrafos Victor Alcântara e Lívia Cristina

QUANDO. Desta quarta a 10 de junho (segunda a quinta das 8h às 21h; sexta e sábado das 8h às 16h30)

ONDE. Galeria Georges Vincent – Aliança Francesa (rua Tomé de Souza, 1418, Savassi)

QUANTO. Entrada franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave