Mesmo gostando de pistas mais rápidas, Massa espera emoção em Mônaco

Prova é uma das mais difíceis da Fórmula 1, já que combina precisão do carro e do piloto

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Massa chegou em quarto na corrida da Austrália
Reprodução/ Facebook
Massa chegou em quarto na corrida da Austrália

Ultrapassagens, carros correndo a 300km/h em retas longas e muita disputa de posições. Essas são características gerais de uma corrida de Fórmula 1, mas que não são muito vistas em Mônaco. O circuito de Monte Carlo é um dos mais tradicionais do campeonato, mas exige muito mais atenção aos detalhes e precisão dos pilotos do que propriamente velocidade.

Fã de pistas de alta, como Spa, na Bélgica, Monza, na Itália e Barcelona, na Espanha,  Felipe Massa, da Williams sabe que em Mônaco a situação é outra. O circuito do Principado é muito estreito, com curvas sinuosas, incluindo a mais lenta do campeonato. Mas mesmo assim, o brasileiro diz que a prova não deixa de ser emocionante.

“Embora eu prefira circuitos mais rápidos, como Spa e Monza, nada pode tirar a emoção das ruas de Mônaco. Meu primeiro pensamento é ir bem no qualifying e daí ter certeza de terminar a corrida. Se você faz isso, então você tem chance de arrancar alguns pontos bem bons”, analisou o piloto da Williams.

Ir bem na classificação é a meta de qualquer equipe, já que as chances de ultrapassagens em Mônaco são mínimas. A Williams e a equipe de Massa terão que se superar nesse quesito. No último Grande Prêmio, em Barcelona, na Espanha, o brasileiro escolheu dar apenas uma volta no Q3 e conseguiu apenas a nona colocação no grid – terminando em sexto na corrida. Para a prova em Monte Carlo, o time britânico terá que fazer muito mais, se quiser continuar se aproximando da Ferrari e da Mercedes.

Conquistar uma pole na temporada tem sido difícil para a Williams, já que as suas rivais vem empregando um ritmo superior. Mas se tratando de Mônaco, Massa já foi feliz neste quesito. Em 2008, o brasileiro cravou o primeiro lugar nos treinos, mas perdeu posições na corrida, terminando a prova em terceiro. 

O chefe de desempenho dos carros, Rob Smedley avalia que a Williams não leva vantagem em relação às características da pista. Mesmo assim, o time está otimista, já que se mostrou muito bem em Barcelona nos trechos semelhantes a Mônaco. 

"Nós terminamos o Grande Prêmio da Espanha em uma posição muito boa e vamos continuar encarando a parte europeia da temporada com muito otimismo. Em Barcelona nós fomos rápidos nas partes da pista que são semelhantes a Mônaco, então estão esperando um fim de semana muito bom. É importante manter os pilotos nos carros e correr em uma pista como Mônaco, porque o ritmo é diferente, por isso o treino na quinta-feira será essencial. A pista não é a mais adequada para as características fundamentais do nosso carro, mas pelo que vimos em termos de equilíbrio na Espanha estamos otimistas,” avaliou. 

Leia tudo sobre: felipe massaformula 1gp de monacowilliamsmercedesferrari