Ganhadores do instrumental

Décima quinta edição do concurso tem como vencedores violonistas, flautista, saxofonista e vibrafonista

iG Minas Gerais | júlio assis |

Premiados. Eduardo e Juliano, do Guanduo, Fred Selva, Alexandre Andrés e Gil Costa
CESAR TROPIA
Premiados. Eduardo e Juliano, do Guanduo, Fred Selva, Alexandre Andrés e Gil Costa

O júri final do concurso BDMG Instrumental, encerrado domingo no Teatro Sesiminas, enfrentou um árduo trabalho para escolher os quatro grupos ganhadores da premiação musical que nessa etapa teve 12 finalistas. Os músicos vencedores são: Fred Selva (vibrafone), Gil Costa (saxofone), Alexandre Andrés (flauta) e Guanduo, dos violonistas Eduardo Pinheiro e Juliano Câmara.

A 15ª edição do evento também premiou como melhores instrumentistas Felipe Vilas Boas (guitarra) e Bruno Vellozo (baixo). Na categoria melhor arranjo, o ganhador foi o Guanduo com a versão elaborada para a composição “Lamento Sertanejo”, de Gilberto Gil e Dominguinhos. E a noite teve ainda o prêmio Marco Antônio Araújo para o Grupo Senta a Pua de melhor disco instrumental autoral e de produção independente lançado, o CD “Baile”. O grupo apresentou o repertório do álbum em show antes do anúncio dos ganhadores.

Os quatro vencedores recebem R$ 9 mil cada e estrutura para realização de dois shows, um em Belo Horizonte e outro em São Paulo, por meio de parceria com o Sesc daquele Estado. Eles podem ainda contar com a participação de um músico convidado patrocinado pelo concurso.

O saxofonista Gil Costa era um dos mais entusiasmados com a premiação. “Ser escolhido entre tantos músicos de qualidade é um marco para mim. Sei da importância desse concurso, que acompanho desde 2003. Professores meus já ganharam anteriormente, e amigos músicos também, então é como uma meta alcançada. O prêmio mostra que estamos no caminho, não um ponto de parada, mas um estímulo para seguir em frente”, disse o instrumentista que é de Governador Valadares, residente em Belo Horizonte.

O BDMG Instrumental, que tem direção de Elizabeth Santos, contou com o trabalho de um júri inicial para escolher os 12 finalistas entre os inscritos, formado pelos músicos Sérgio Santos, Flávio Henrique e Cristiano Caldas. Já na etapa final houve outro corpo de jurados, presidido pelo carioca Vittor Santos, trombonista, compositor, arranjador e produtor musical.

Ao fim do evento, Vittor disse que os escolhidos ganhavam também uma responsabilidade. “É muito relevante o que mostrou esse movimento que conheci aqui em Minas, com muitas vertentes de realizações musicais. Os vencedores têm agora a responsabilidade de ajudar a sustentar esse benefício que a vida lhes deu de serem instrumentos da música”, afirmou.

O presidente do júri foi designado para entregar o prêmio ao vibrafonista Fred Selva, a quem disse que a música que ele está criando é “extremamente contemporânea”.

A final do concurso teve seis apresentações no palco do Sesiminas, na sexta-feira, e outras seis, no sábado. Dessas 12 performances, o júri escolheu seis para a finalíssima de domingo. Além dos quatro contemplados, também concorreram nessa fase os músicos José Namen (piano) e Breno Mendonça (saxofone). Os demais participantes foram Expedito Andrade (guitarra), Bernardo Fabris (saxofone), Nilton Moreira (flauta), Carlos Walter (violão e craviola), Willian Alves (trompete) e Léo Pires (bateria).

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave