Ataques do EI deixam cinco mortos na cidade síria de Palmira

Combates prosseguiam nesta segunda-feira (18), de acordo com a ONG, entre as tropas do regime do presidente sírio Bashar al-Assad e os jihadistas na periferia da cidade

iG Minas Gerais | AFP |

(FILES) - A file picture taken on March 14, 2014 shows a partial view of the ancient oasis city of Palmyra, 215 kilometres northeast of Damascus. Islamic State group fighters advanced to the gates of ancient Palmyra on May 14, 2015, raising fears the Syrian world heritage site could face destruction of the kind the jihadists have already wreaked in Iraq. AFP PHOTO / JOSEPH EID
AFP
(FILES) - A file picture taken on March 14, 2014 shows a partial view of the ancient oasis city of Palmyra, 215 kilometres northeast of Damascus. Islamic State group fighters advanced to the gates of ancient Palmyra on May 14, 2015, raising fears the Syrian world heritage site could face destruction of the kind the jihadists have already wreaked in Iraq. AFP PHOTO / JOSEPH EID

Uma série de foguetes lançados pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI) contra a cidade antiga de Palmira matou cinco civis, incluindo duas crianças, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Os combates prosseguiam nesta segunda-feira (18), de acordo com a ONG, entre as tropas do regime do presidente sírio Bashar al-Assad e os jihadistas na periferia desta cidade de mais de 2.000 anos, localizada no deserto sírio.

"Pelo menos cinco civis, incluindo duas crianças, morreram no domingo (17) à noite quando o EI lançou foguetes contra vários bairros da cidade de Tadmor (nome árabe de Palmira)", informou o OSDH.

"Esta é a primeira vez que o EI ataca com tanta intensidade a cidade", afirmou Rami Abdel Rahman, diretor da organização, que tem uma ampla rede de fontes na Síria.

Os jihadistas, que iniciaram a ofensiva em Palmira em 13 de maio, estão nas imediações da cidade. Desde sábado (16), o extremistas estão a apenas uma quilômetro do famoso sítio arqueológico, conhecido por suas colunas romanas e torres funerárias.

No sábado, os jihadistas conseguiram assumir o controle da maior parte do norte de Palmira, mas menos de 24 horas depois foram expulsos pelo exército.

O comitê coordenação da revolução de Palmira, uma rede de ativistas, afirmou que a Força Aérea do regime executou seis bombardeios nesta segunda-feira (18) na periferia Norte da localidade.

O sítio arqueológico de Palmira é considerado patrimônio mundial da humanidade pela Unesco, que fez um apelo para a proteção da localidade.