França se opõe ao estabelecimento de quotas de imigrantes na UE

Primeiro-ministro francês, Manuel Valls, declarou-se contra o plano de ação para a imigração e asilo, apresentado por Bruxelas, que prevê a repartição equitativa dos refugiados entre os Estados da União Europeia

iG Minas Gerais | AFP |

Menton, França - A França se opôs neste sábado (16) à criação de "quotas" para dividir os imigrantes e refugiados entre os países da UE, proposto nesta semana pela Comissão Europeia, e que já despertou a rejeição de muitos membros do bloco.

"Queremos ser particularmente claros sobre este ponto. Sou contra a introdução de quotas para imigrantes. Isso jamais correspondeu às propostas francesas", declarou o primeiro-ministro francês, Manuel Valls. O chefe de governo visitava a fronteira franco-italiana, onde mais de mil imigrantes foram detidos nos últimos dias.

O plano de ação para a imigração e asilo apresentado na quarta-feira por Bruxelas prevê quotas obrigatórias para a repartição equitativa dos refugiados e, em uma crise, uma transferência de requerentes de asilo entre os Estados da União Europeia.

"O asilo é um direito, atribuído segundo critérios internacionais aplicados por todos os países da UE. Por isso o número de beneficiários não pode ser baseado em quotas: se é um requerente de asilo ou não é", disse Valls.

"Atualmente, França, Itália, Alemanha, Reino Unido e Suécia acolhem 75% dos refugiados e requerentes de asilo na Europa", lembrou o primeiro-ministro francês, apelando para uma distribuição mais "equitativa".

A imigração é uma questão sensível na França. A extrema-direita multiplica há um ano seus êxitos eleitorais com um virulento discurso eurofóbico e anti-imigrante, e a oposição de direita, liderada pelo ex-presidente Nicolas Sarkozy, exige com frequência a revisão dos acordos de Schengen sobre a livre circulação no seio da UE.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave