PSDB Cristão apoia indicação de Telhada para Direitos Humanos

Nome do deputado estadual, ex-comandante da Rota (grupo de ação da Polícia Militar), para assumir a Comissão da Assembleia Legislativa de São Paulo ainda divide opiniões no próprio partido

iG Minas Gerais | Folhapress |

SÃO PAULO, SP - O deputado estadual coronel Telhada (PSDB-SP), alvo de críticas por sua indicação para a Comissão de Direitos Humano da Assembleia Legislativa de São Paulo, recebeu nesta sexta-feira (15) o apoio do PSDB Cristão, núcleo religioso do partido.

Em evento na Câmara dos Vereadores, para eleição da direção do grupo formado por tucanos católicos e evangélicos, foi lida moção de apoio ao deputado estadual. 

O trabalho dele [Coronel Telhada] é referência na defesa da família', disse o empresário Vladimir Ramos, nome de consenso no partido para presidir o núcleo religioso. "Eu acredito que ele está plenamente preparado para representar o partido na Comissão de Direitos Humanos", acrescentou.

A indicação do deputado estadual, ex-comandante da Rota (grupo de ação da Polícia Militar de SP), tem sido alvo de críticas de partidos de oposição ao governo Geraldo Alckmin (PSDB) e divide o próprio PSDB.

O deputado estadual Carlos Bezerra (PSDB-SP), nome de consenso para assumir a presidência da Comissão de Direitos Humanos, avaliou como "surreal" a presença do colega para o colegiado permanente.

Segundo o tucano, assim como ele próprio, os paulistas e os brasileiros ficaram "espantados"' com a indicação do nome do parlamentar feita pelo líder do PSDB na Casa, Carlão Pignatari.

Favorável à redução da maioridade penal, coronel Telhada se descreve como um conservador que procura seguir os mandamentos da Bíblia.

Polêmico, escreveu em uma rede social, após o resultado da eleição presidencial, que o Sul e o Sudeste deveriam iniciar "processo de independência de um país que prefere esmola a trabalho". Posteriormente, admitiu que fez uma "má colocação".

Em nota divulgada na terça-feira (12), a Comissão de Justiça e Paz de São Paulo pediu ao líder do PSDB que reconsidere a indicação do deputado estadual.

O grupo é formado por advogados e juristas como José Gregori, José Carlos Dias e Paulo Sérgio Pinheiro, que já fizeram parte de administrações tucanas.

"Imagino que o PSDB deva ter outros nomes na bancada estadual que não trarão uma atuação tão polêmica e tão inadequada para o legado histórico do partido [na área de direitos humanos]", disse Pinheiro.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave