Júri retoma deliberações sobre atentados de Boston

Os 12 membros do júri, que já declararam Dzhokhar Tsarnaev como culpado, devem decidir nesta sexta-feira (15) se réu será condenado à pena de morte ou à prisão perpétua

iG Minas Gerais | AFP |

(FILES)This undated file image released by the FBI shows Marathon bombing suspect Dzhokhar Tsarnaev. The American Muslim accused of carrying out the 2013 Boston marathon bombings that killed three and injured 264 others went on trial March 4, 2015. Kyrgyzstan-born Dzhokhar Tsarnaev, 21, faces the death penalty if convicted of bombing Boston's signature race. Several survivors were in the packed courtroom as the trial got underway.     == RESTRICTED TO EDITORIAL USE / MANDATORY CREDIT:
AFP
(FILES)This undated file image released by the FBI shows Marathon bombing suspect Dzhokhar Tsarnaev. The American Muslim accused of carrying out the 2013 Boston marathon bombings that killed three and injured 264 others went on trial March 4, 2015. Kyrgyzstan-born Dzhokhar Tsarnaev, 21, faces the death penalty if convicted of bombing Boston's signature race. Several survivors were in the packed courtroom as the trial got underway. == RESTRICTED TO EDITORIAL USE / MANDATORY CREDIT: "AFP PHOTO / FBI / NO SALES / NO MARKETING / NO ADVERTISING CAMPAIGNS / DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS ==

O júri do caso dos atentados da maratona de Boston iniciou nesta sexta-feira (15) seu terceiro dia de deliberações para decidir se condenará à pena de morte ou à prisão perpétua Dzhokhar Tsarnaev, autor do pior ataque em solo americano desde 11 de setembro de 2001.

Os 12 membros do júri, que já o declararam culpado das 30 acusações relacionadas ao ataque de 15 de abril de 2013 que deixou três mortos e 264 feridos, precisam de um veredicto unânime para impor a pena capital.

Após mais de dois meses de processo nos tribunais federais da capital de Massachusetts (nordeste dos Estados Unidos), os jurados começaram a deliberar na tarde de quarta-feira e na quinta-feira passaram oito horas sem chegar a um acordo.

A acusação descreveu este jovem de 21 anos de origem chechena como um "terrorista sem remorso que merece morrer".

A defesa, no entanto, o apresentou como um "menino perdido", manipulado por seu irmão mais velho radicalizado, Tamerlan, de 26 anos no momento do crime e com quem colocou as bombas de fabricação caseira que explodiram quase simultaneamente perto da linha de chegada da maratona.

Tamerlan foi morto pela polícia dias depois do ataque, quando ambos tentavam fugir de Boston.

Leia tudo sobre: JúrideliberaçõesatentadosBoston