Dnipro elimina Napoli e enfrenta Sevilla na final da Liga Europa

Clube ucraniano terá a oportunidade de se tornar o segundo do país a conquistar a competição europeia

iG Minas Gerais | AFP |

O modesto Dnipro Dniepropetrovsk surpreendeu a todos, nessa quinta-feira, ao eliminar o tradicional Napoli nas semifinais da Liga Europa, e decidirá o título com o atual campeão, Sevilla, que irá em busca do quarto título na competição, no dia 27 de maio, em Varsóvia, na Polônia.

O time ucraniano derrotou os napolitanos por 1 a 0, depois do empate em 1 a 1 na partida de ida, enquanto o clube andaluz garantiu sua vaga com folga em Florença, ao superar por 2 a 0 a Fiorentina, que tinha atropelado por 3 a 0 na semana passada.

Desta forma, o futebol italiano, que tinha a oportunidade de colocar dois times na decisão, acabou ficando de mãos abanando, um dia depois da classificação da Juventus para a final da Liga dos Campeões.

Vítima da zebra na Ucrânia, o Napoli disse adeus ao sonho de reviver as glórias de 1989, quando conquistou a Copa da Uefa, quando era liderado por ninguém menos que Diego Maradona.

Diante de um time desconhecido, cujo nome de pronúncia difícil é um desafio para os narradores de rádio ou televisão, o Sevilla tentará revalidar o título do ano passado, conquistado em Turim, para repetir o bicampeonato de 2006 e 2007, quando tinha como destaques os brasileiros Daniel Alves e Luis Fabiano.

"O Dnipro não tem tanto nome quanto os adversários que já eliminamos, mas não está na final por acaso", alertou o técnico do time espanhol, Unay Emery.

O clube ucraniano terá a oportunidade de se tornar o segundo do país a conquistar a competição, depois do Shakhtar Donetsk, em 2009.

Assim como o Shakhtar, o novo finalista da Liga Europa conta com uma legião brasileira (Douglas, Léo Matos, Matheus e Egídio).

Outra semelhança marcante: o time é "exilado". Como Donetsk, a cidade de Dniepropetrovsk é situado no leste da Ucrânia, região abalada pelo conflito com os separatistas pró-russos, por isso precisa jogar em Kiev, a 400 quilômetros da sua sede.

Goleirão frustra Higuaín

No estadio Olímpico da capital ucraniana, o gol que garantiu a classificação histórica do Dnipro foi marcado de cabeça por Yevhen Seleznyov, aos 12 minutos do primeiro tempo.

Herói do azarão da competição, Seleznyov já havia marcado o gol da sua equipe no jogo de ida, em Nápoles.

Nessa quinta-feira, o time italiano criou várias chances claras, mas esbarrou no goleiro Denys Boyko, que fez defesas milagrosas para segurar o resultado, impedindo o argentino Gonzalo Higuaín de seguir os passos do compatriota Maradona.

Em Florença, a partida foi bem menos tensa, e o Sevilla não teve a menor dificuldade para carimbar a vaga, diante de uma Viola desmotivada.

Os dois gols do time andaluz saíram no primeiro tempo, de duas jogadas ensaiadas em cobranças de falta do argentino Ever Banega.

No primeiro, aos 22, o meia cobrou rasteiro e achou o colombiano Carlos Bacca livre na área para fuzilar o goleiro brasileiro Neto.

Cinco minutos depois, Banega abriu na direita para Coke, que cruzou na medida para o português Daniel Carriço ampliar o marcador.

A Fiorentina já tinha sido eliminada nas semifinais em 2008, quando foi derrotada nos pênaltis pelo Celtic Glasgow.

"Não demos sorte, porque eles tiveram um ótimo aproveitamento em todas as chances de gol que criaram, enquanto desperdiçamos várias oportunidades. Minha equipe lutou até o fim e merece mais respeito", lamentou o técnico do time toscano, Vicenzo Montella.

Unay Emery, cotado para substituir Filippo Inzaghi no comando do Milan, deu uma aula de futebol na Itália, que aposta todas as fichas na Juve para reconquistar a glória no cenário continental.

Leia tudo sobre: dniprobatenapolienfrentasevillafinalliga europasurpresa