Camisa 1 celeste ‘decreta’ despedida

Com faro artilheiro, Rogério Ceni tem em Fábio uma grande vítima. O cruzeirense é o arqueiro que mais levou gols do goleiro são-paulino, sete no tota

iG Minas Gerais | Guilherme Guimarães |

Depois de travar por anos uma batalha particular com Rogério Ceni, Fábio, enfim, voltou a triunfar diante de um dos seus maiores adversários pessoais na carreira. Herói da classificação cruzeirense para as quartas de final da Copa Libertadores, o camisa 1 da Raposa, com a eliminação tricolor na competição, praticamente decretou o fim da era Ceni em torneios continentais pela equipe paulista.

Com contrato até 4 de agosto, Rogério Ceni está perto de anunciar de vez a sua aposentadoria. E, como o seu vínculo com o São Paulo termina antes mesmo do fim do Brasileirão, pode ser que o “Mito”, como é chamado pelos torcedores são-paulinos, nem sequer termine a atual edição do campeonato nacional pela equipe que defende há 23 anos.

Com faro artilheiro, Rogério Ceni tem em Fábio uma grande vítima. O cruzeirense é o arqueiro que mais levou gols do goleiro são-paulino, sete no total.

“O Rogério é um dos grandes goleiros. Ele tem a sua parte na história, como todos têm. Ele não tem que falar para ninguém que vai parar tal dia ou não. Cada um determina o seu tempo de parar. Depende somente e exclusivamente dele e da família dele essa decisão”, afirma Fábio, sem alimentar revanchismo com o companheiro de profissão.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave