Eliseu e Marcão trocam acusações em bate-boca

Líder do governo ficou inconformado com divulgação de decisão do TJMG de bloquear 30% de seu salário e acusou aliados do presidente da Casa de ‘vazar’ documento

iG Minas Gerais | José Augusto Alves |

Eliseu ficou inconformado com divulgou de decisão do TJMG e acusou Marcão
João Lêus
Eliseu ficou inconformado com divulgou de decisão do TJMG e acusou Marcão

Inconformado com a decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) de bloquear 30% do seu salário devido a uma ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público e com a divulgação da notícia em O Tempo Betim, o vereador Eliseu Xavier (PTB) acusou o presidente da Câmara, Marcão Universal (PSDB) de ter divulgado o documento que mostra a decisão judicial. Por causa disso, a reunião da última terça (12) foi marcada por bate-boca entre os dois, com o petebista levantando suspeita sobre os gastos com lanches e serviços de publicidade pela Câmara.

Eliseu questionou Marcão sobre quem teria “vazado” o documento da decisão do TJMG. O líder do governo alegou que o processo corre em segredo de justiça, o que não é verdade, já que a reportagem consultou o processo na sede do Ministério Público local. “Teve uma decisão judicial desfavorável a mim, e eu queria que o senhor (Marcão) me respondesse como isso (documento) foi parar no jornal, se foi alguns de seus diretores (que fez isso)”, disse.

Marcão disse desconhecer a situação. “Quando esse documento chegou até mim, eu pedi para o (vereador) Carlim (do Amigão) te entregar sem direito a ver o assunto. Foi isso”, respondeu. Eliseu, no entanto, continuou a indagação. “O documento se tornou público depois que chegou à Câmara e estava aqui na diretoria da Casa. Só pode ter sido um diretor que vazou isso. A minha indignação é com quem divulgou isso. Nós elegemos o senhor e te reelegemos para cuidar dos vereadores. Eu estou dormindo com o inimigo”, afirmou.

Marcão retrucou. “Toda intimação decisão judicial que chega aqui, eu mesmo procuro o vereador para informá-lo. Nada passa na diretoria antes de passar por mim. Se chegar alguma coisa da Polícia Federal, eu vou in loco. Se houver desvio de conduta, eu não tenho a ver com isso. Não tenho poder sobre funcionário”, disse.

Alterado, Eliseu continuou a cobrar Marcão e pediu explicações até sobre o montante gasto com lanche na Câmara. Segundo o petebista, em 2013, a Casa gastou R$ 266.565 com buffet. “Já que a diretoria vaza documento, então vamos colocar tudo às claras. Foram R$ 9.500 por sessão em sete meses. Já em 2014, foram R$ 160.849 em nove meses para lanche para vereadores. São R$ 4.500 por dia. Eu não concordo isso. A partir de agora, eu não entro mais na sala da Presidência para lanchar”, completou.

Marcão respondeu que esse gasto não é com os lanche que são dados aos vereadores após as reuniões, mas, sim, com buffet de festas realizadas pelo Legislativo. “Buffet é licitação, lanche é lanche, é comprado na padaria. São até R$ 8 mil para gastar com isso. Já o buffet são as festas que a gente proporciona, aos agraciados, que os colegas vereadores homenageiam duas vezes por ano. Antes eram seis. Agora, se os vereadores não querem mais lanche, por mim, tudo bem. Eu não como esse lanche mesmo, porque é gorduroso e tem muita fritura. Mas nas reuniões, são gastos apenas R$ 912 por sessão em lanche”. 

Publicidade Além de questionar o valor gasto com lanche, o vereador Eliseu Xavier (PTB) cobrou do presidente Marcão Universal (PSDB) explicações sobre o gasto da Câmara com publicidade. Segundo Eliseu, com o gasto que o Poder Legislativo tem com publicidade tem que ser explicado. “Vossa excelência (Marcão) vai desculpar a minha sinceridade, mas poderia esclarecer a mim e ao povo de Betim alguns números de gasto com publicidade. Em 2013, foram R$ 1,255 milhão, sendo uma média de R$ 250 mil por mês? Além disso, o senhor também poderia esclarecer como foram gastos, em 2014, R$ 1,253 milhão, com publicidade em um contrato de apenas quatro meses, o que dá uma média de R$ 313 mil mensais? A população precisa saber disso”, alfinetou Eliseu.

Marcão retrucou a fala do colega. “Desde que me propus a ser presidente da Câmara que eu tento diminuir os gastos. Nas outras direções, se gastavam R$ 2,2 milhões com publicidade. Nós estamos gastando R$ 1,5 milhão, diferença de 30%. E tudo dentro da lei”, disse. “Eu desafio a qualquer procurador, promotor e a vocês, vereadores, a achar qualquer irregularidade nas licitações da publicidade. Eu desafio a todos”, retrucou.

A discussão provocou reações do público que compareceu à reunião. No entanto, os vereadores não quiseram intervir para apaziguar os ânimos. Apenas Eutair dos Santos (PT) fez uma breve fala sobre a discussão. “É dispensável uma discussão dessas, subir à tribuna para falar isso. Nós estamos com uma comissão que vai analisar como cortar gastos na Câmara, fazendo um debate sobre o assunto”, disse. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave