Estilista de Belo Horizonte resolve ficar no Nepal para ajudar

Mineira entrou em contato com a mãe após quatro dias desaparecida; ela disse que teve que dormir em uma praça, temendo novos tremores de terra

iG Minas Gerais | Litza Mattos |

Arquivo pessoal
undefined

Após quase quatro dias de intensa angústia e noites em claro, a comerciante Sylvia Nascimento finalmente conseguiu receber notícias da filha que estava desaparecida após o terremoto no Nepal. A estilista mineira Simone Nascimento, de 38 anos, informou por mensagem em uma rede social que as coisas estão melhores no país asiático e pediu por orações e ajuda à população local. "Não dá para escrever muito. Estou bem. Não se preocupem", escreveu a estilista.

Horas mais tarde, a mãe de Simone disse que conseguiu conversar por cinco minutos pelo Skype com a filha, que se explicou sobre o sumiço. "Ela disse que o país é realmente muito carente, foi muito destruído, não tinha ônibus, carro, que ficou dormindo em uma praça e que, à noite, quando começou a chover, jogaram uma lona em cima deles. Não podiam nem ficar no hotel porque teve muitas réplicas (do tremor)", contou.

Mesmo em condições precárias, Sylvia disse que a filha decidiu permanecer no país. "Ela disse 'não estou aqui à toa' e então, quando perguntei se ela voltaria imediatamente, ela disse que ficaria para ajudar. Ela deve ficar pelo menos mais um mês e disse que até já se uniu a grupos de auxílio", contou.

A mãe reconheceu que Simone vai passar muitas dificuldades no país, mas disse ter se sentido muito orgulhosa da atitude. "Alimento, água e luz estão voltando aos poucos. Ela sabe de tudo o que ela vai passar, mesmo assim reconheceu que têm pessoas em situação muito pior. Estou orgulhosa dela porque enquanto muitos estão saindo correndo, ela esta lá enfrentando tudo isso", diz.

Impotente diante da situação em que a filha está vivendo, a comerciante disse que só lhe resta orar e pedir para que Simone continue mandando notícias. "Sabia que ela tinha força e coragem, mas não tanto", reconheceu a mãe.

Leia tudo sobre: terremotoNepal