Cinzas do vulcão Calbuco causam estragos em uma das regiões mais ricas

Uma densa neblina cobria nesta manhã a cratera do maciço, enquanto prosseguiam os trabalhos de remoção das cinzas nas ruas e nas casas afetadas

iG Minas Gerais | AFP |

Cinzas de vulcão atingiram sul do Chile e da Argentina
MARTIN BERNETTI / AFP
Cinzas de vulcão atingiram sul do Chile e da Argentina

As cinzas do vulcão Calbuco, que desacelerou sua atividade depois de violentas erupções de cinco dias, contaminaram extensas pradarias e cursos d'água, danificando uma das regiões mais ricas do Chile.

A atividade sísmica em torno do maciço, que precede a uma possível nova erupção, baixou nas últimas horas, de acordo com o Serviço Nacional de Geologia e Minas (Sernageomín).

"Confirmado: diminuíram as atividades sísmicas do vulcão Calbuco. Agora, é preciso esperar para saber se essa é a tendência", disse o Sernageomín, nesta segunda-feira em sua conta do twitter.

Uma densa neblina cobria nesta manhã a cratera do maciço, enquanto prosseguiam os trabalhos de remoção das cinzas nas ruas e nas casas afetadas. Trabalha-se a pleno vapor com o prognóstico de chuva para as próximas horas, que podem remover as cinzas e provocar algumas inundações, disseram as autoridades.

A área se mantém em alerta com um raio de exclusão de 20 km ao redor do maciço, de onde cerca de 5.000 pessoas foram retiradas. Em algumas escolas -que não foram usadas como abrigo- as aulas foram retomadas. 

Toneladas de cinzas afetam a economia

O vulcão Calbuco teve duas erupções repentinas na quarta e na quinta-feira da semana passada, depois de permanecer adormecido por mais de cinco décadas, expulsando uma coluna de cinzas que chegou a se estender por mais de 15 quilômetros.

De acordo com o Sernageomin, em três dias o vulcão expulsou cerca de 210 milhões de metros cúbicos de cinzas, cobrindo extensas zonas agrícolas e de pecuária em uma das regiões mais produtivas do Chile.

Em Los Lagos, são criados mais de um milhão de cabeças de gado, equivalente a cerca de 30% do total do país e a 50% da produção nacional de leite.

"As áreas mais afetadas serão a agricultura e  pecuária", advertiu à AFP, Emir Jadue, diretor da Câmara de Comércio de Puerto Varas.

"A atividade econômica na região de Los Lagos teve receitas anuais de 2 bilhões de dólares. Estimamos que a erupção do Calbuco provocará perdas de até 30%", completou.

Também há danos previstos na aquicultura, já que a região concentra a maior parte do salmão do país, que é o segundo produtor deste pescado em nível mundial. Muitos dos rios dos quais se abastecem alguns hidro-cultivos foram contaminados pelas cinzas.

Em 2012, com 820.735 toneladas, o salmão representou 3,7% do total das exportações nacionais depois do cobre, gerando 60.000 empregos diretos e indiretos, segundo a organização Salmón Chile.

A região é também uma das mais turísticas do país, com paisagens verdes, extensos rios e lagos rodeados por imponentes vulcões, entre eles o Calbuco.

A região é visitada por cerca de 200.000 turistas por ano.

"No caso do turismo, o vulcão afetará a presença de turistas em espaços ao ar livre (...), mas pode se  beneficiar com o aumento do número de turistas que queiram observar um vulcão em atividade". 

No momento, 10% das reservas hoteleiras da região programadas para o o próximo feriado e fim de semana foram cancelados. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave