Escola islâmica proíbe meninas de correr para preservar virgindade

Ministro da Educação do Estado de Victoria, James Merlino, pediu a abertura de uma investigação porque, se for confirmado, "será algo muito preocupante", afirma o comunicado

iG Minas Gerais | AFP |

As autoridades australianas abriram uma investigação nesta quinta-feira (22) sobre um estabelecimento escolar islâmico que teria proibido as meninas de participar de corridas por medo de que percam a virgindade.

O ministro da Educação do Estado de Victoria, James Merlino, pediu a abertura de uma investigação porque, se for confirmado, "será algo muito preocupante", afirma o comunicado.

Um ex-professor do colégio Al-Taqwa de Melbourne escreveu nesta semana ao governo federal e ao do Estado de Victoria para acusar o diretor do centro, Omar Hallak, de acreditar que "se as mulheres correm em excesso, podem perder a virgindade", informa o jornal 'The Age'.

"O diretor acredita que existem provas científicas que demonstram que se as meninas se ferirem, por exemplo, se quebrarem uma perna jogando futebol, podem ficar estéreis", acrescenta.

O jornal publica uma carta enviada, ao que parece, pela equipe de corrida do estabelecimento, protestando pela proibição em 2013 e 2014 das alunas de educação primária de participar das competições.

"Não é porque somos meninas que não podemos correr", afirma a carta.

O estabelecimento privado, que acolhe 1.700 alunos de 5 a 18 anos, recebeu em 2013 mais de 15 milhões de dólares australianos (10,8 milhões de euros, 11,6 milhões de dólares) de financiamento público.

Até o momento não foi possível contactar a instituição.

Leia tudo sobre: meninasvirgindadeaustrália