Pegar bem, não pegou, diz Temer sobre escândalo na Petrobras

Quanto aos protestos realizados no país contra o governo, o vice-presidente afirmou que as exigências "são cada vez maiores, e não nos assustamos"

iG Minas Gerais | Folhapress |

Temer reúne em busca de acordo para MPs do ajuste
José Cruz/ABr
Temer reúne em busca de acordo para MPs do ajuste

O vice-presidente Michel Temer (PMDB) afirmou na manhã desta quinta-feira (23) em visita à Espanha, comentando as notícias de corrupção na Petrobras e a demonstração financeira da estatal, que "pegar bem, não pegou".

Temer falava ao público durante um evento organizado pela agência de notícias "Efe", voltado a líderes. Ele disse que "ninguém aplaudiu" os fatos relacionados à Petrobras e elogiou a transparência da demonstração financeira.

Com impacto do lançamento de perdas de R$ 6,194 bilhões relacionadas à corrupção e outros R$ 44,345 bilhões à reavaliação dos ativos, a Petrobras registrou, em 2014, prejuízo de R$ 21,587 bilhões ante o lucro de R$ 23,6 bilhões registrado em 2013, segundo balanço divulgado nesta quarta (22). A divulgação das demonstrações contábeis auditadas do terceiro trimestre estavam atrasadas havia 159 dias, e a anual, 22 dias.

De acordo com a consultoria Economatica, este é o primeiro prejuízo anual da Petrobras desde 1991, quando a estatal registrou perda de R$ 1,2 bilhão, segundo dados ajustados pela inflação. "Dizer que ficou bem para a Petrobras e para os brasileiros, não ficou. Pegar bem, não pegou. Ninguém aplaudiu. Mas a Petrobras tem tido uma transparência. Vai recuperando a imagem", afirmou o vice-presidente.

Quanto aos protestos realizados no país contra o governo, Temer afirmou que as exigências "são cada vez maiores, e não nos assustamos". "É natural que os anseios aumentem."

O vice-presidente foi questionado pelo público justamente nesses pontos, com perguntas sobre a possibilidade de um impeachment e de antecipação das eleições. Ele repetiu o discurso de que não há crise institucional no país.

Mais tarde, em visita à Casa do Brasil, em Madri, o vice-presidente comentou a aprovação preliminar, contra a vontade do governo, de uma proposta de emenda à Constituição que reduz o número de ministérios para 20, projeto capitaneado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e apoiado por outros peemedebistas.

Temer, que agora é responsável pela articulação política do governo e não conseguiu evitar a aprovação da proposta na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, afirmou que "redução no número de ministérios é razoável" e que "todo o mundo pensa nisso".

Leia tudo sobre: Michel Temer