Interpol transforma suas baladas tristes em show animado

O vocalista Paul Banks tentava conter um sorriso que lhe escapava pelas laterais da boca enquanto a plateia gritava e cantava "Anywhere" e "Leif Erikson"

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Apresentação da banda Molotov no segundo dia do Festival Lollapalooza
Divulgação / Lollapalooza
Apresentação da banda Molotov no segundo dia do Festival Lollapalooza

O público do palco Skol já pedia "Interpol, Interpol" dez minutos antes de a banda nova-iorquina se apresentar no Lollapalooza 2015, no autódromo de Interlagos. A chuva que começou fina e intermitente veio para ficar assim que os rapazes entraram, todos de preto, para começar com "I Say Hello to the Angels".

Serião, o vocalista Paul Banks tentava conter um sorriso que lhe escapava pelas laterais da boca enquanto a plateia gritava e cantava "Anywhere" e "Leif Erikson", na sequência. Como o espetáculo ao ar livre e aberto dilui um pouco a natureza melancólica do grupo, capricharam nas guitarras e baterias entregando até um show animado, considerando as baladas tristes que carregam nos seus cinco álbuns. O antigo hit "Evil", a balada "Rest in My Chemestry" e a novíssima "All the Rage Back Home" animaram mais. Esta última, a 12ª canção, levantou a galera do chão, já sem as capas de plástico contra a chuva chata, que deu uma trégua. Então Banks agradeceu pela terceira vez. "Vocês são foda. É maravilhoso estar aqui. Temos mais uma para vocês". E então entregou "Slow Hands", que foi recebida com entusiasmo. A banda deu boa noite e deixou o palco enquanto a plateia pedia mais "Interpol, Interpol".

Leia tudo sobre: LollapaloozafestivalbandasmúsicaSão PauloInterpolshow