Mais de 100 mil meninas foram vacinadas em SP contra o HPV

O atendimento inclui também, a população indígena e mulheres portadoras do vírus HIV com idades entre 9 e 26 anos, somando um universo de 6,6 mil pessoas

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

A campanha de vacinação contra o papilomavírus humano (HPV), imunizou 104.557 meninas com idades entre 9 e 13 anos, em todo o Estado de São Paulo. A meta é elevar este número para 762,1 mil até o próximo dia 31, segundo a secretaria estadual da Saúde.

O atendimento inclui  também, a população indígena e mulheres portadoras do vírus HIV com idades entre 9 e 26 anos, somando um universo de 6,6 mil pessoas. As aplicações ocorrem nos postos de saúde no horário das 8h às 17h e nos Serviços de Atenção Especializada em HIV/Aids que possuem sala de vacinação e nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais.

As pré-adolescentes de 9 aos 11 anos e o público feminino indígena de 9 aos 13 anos, devem tomar duas doses do medicamento em um intervalo de seis meses. E a terceira cinco anos após a primeira dose.

Em relação as garotas e mulheres portadoras do vírus HIV, com idade entre 9 e 26 anos, a conduta é a de tomar duas doses em um intervalo de 2 meses e de 6 meses, com relação à primeira aplicação.

A médica Helena Sato, diretora de Imunização da secretaria, alerta que a vacina ajuda a evitar a incidência de câncer. “O papilomavírus humano é um vírus capaz de causar lesões de pele e mucosas e, quando não tratado corretamente pode evoluir para casos de câncer de útero. A eficácia da vacina é superior a 95%. Ao alcançar uma elevada cobertura vacinal no público-alvo, observaremos, consequentemente, maior proteção contra a incidência do câncer de colo de útero”.

O principal meio de contágio do HPV é pela relação sexual, mas o vírus também pode ser transmitido entre a mãe e o bebê no período da gravidez ou no momento do parto. A infecção pode evoluir para lesões de pele e mucosas e, em alguns casos, surgem verrugas genitais. Se não houver o tratamento adequado, há ricos de se transformar em um câncer genital, como o câncer de colo de útero.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave