‘Rasível terá que prestar esclarecimento’, diz petista

Segundo Antônio Carlos (PT), o secretário municipal de Saúde afirmou em evento que ‘vereadores estão envolvidos em esquema de marcação de consultas no Divino Braga’

iG Minas Gerais | Lisley Alvarenga |

Antônio Carlos disse que vai convocar Rasível à Câmara
FOTOS JOÃO LÊUS/ARQUIVO
Antônio Carlos disse que vai convocar Rasível à Câmara

Uma grave denúncia que teria sido feita pelo secretário municipal de Saúde, Rasível dos Reis, contra os vereadores de Betim, colocou mais uma vez em xeque o cumprimento no município da legislação do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo o vereador Antônio Carlos (PT), o gestor teria afirmado, durante uma reunião da 12ª Conferência Regional da Saúde de Betim, ocorrida na regional do PTB, que os parlamentares estariam envolvidos em um esquema para burlar o sistema de marcação de consultas do Centro de Especialidades Divino Braga. “Rasível disse que os vereadores indicam pacientes para as consultas e disse ainda que o povo de Betim não tem exames porque os vereadores beneficiam seus apadrinhados”, afirmou o petista.

No mês passado, a promotora do Patrimônio Público, Carolina Mendonça, acusou os parlamentares, através de uma recomendação encaminhada à prefeitura, de estarem burlando o sistema. Conforme a promotora, eles estariam privilegiando potenciais eleitores em detrimento de quem é obrigado a enfrentar filas e toda a burocracia para ter acesso a atendimento ou exames na rede municipal.

Indignado com as declarações do secretário, Antônio Carlos afirmou, na reunião da Camara de terça-feira (17), que vai colher assinaturas dos demais parlamentares para solicitar, na próxima semana, que o secretário seja convocado à Câmara para prestar esclarecimentos. “Nunca indiquei um exame. Os encaminhamentos que faço são no Ministério Público, que pressiona a prefeitura para arrumar o remédio e o exame para o paciente. Quero saber dele quem está fazendo isso, porque eu nunca fiz”, defendeu-se.

Conselheiro municipal de saúde, Ricardo Mateus, que estava presente na conferência no PTB, confirmou que Rasível teria dito que os vereadores estariam “envolvidos em um esquema de marcação de consultas”. “Rasível disse isso também em outras reuniões. Segundo o secretário, quando ele assumiu a saúde, em dezembro de 2014, as consultas e exames eram desviados para os apadrinhados políticos dos vereadores. Mas ele afirmou que esse ‘esquema’ não existe mais. Espero que, sinceramente, ele tenha razão. Essa é uma situação grave, um desrespeito ao SUS e aos pacientes, que são os maiores prejudicados”, desabafou.

Reação

Vereadores da base aliada contestaram Antônio Carlos. “Quem acusa, tem que provar”, disparou o presidente da Casa, Marcão Universal (PSDB). O líder de governo, Eliseu Xavier (PTB), também rebateu o petista: “O senhor estava na conferência? Ouviu a fala do secretário? O senhor precisa apresentar uma filmagem, uma gravação a essa Câmara para provar o que disse. Se for verdade, Rasível terá que vir aqui se explicar”, disse.

Embate

O secretário de Saúde, Rasível dos Reis, travou um duro embate com os moradores e conselheiros do Citrolândia. Além de ter sido duramente criticado pela comunidade, ele se negou a iniciar a conferência regional enquanto faixas e cartazes em protesto à administração do prefeito Carlaile Pedrosa (PSDB) não fossem retiradas.

Bastante nervoso, Rasível e o secretário-adjunto de Saúde, Júnio Araújo, arrancaram as faixas instaladas pela comunidade na escola Edgar Grot (foto) onde ocorreu o encontro. “A faixa é injusta. É ofensiva”, justificou-se o secretário. Ele também bateu boca com moradores e mostrou irritação com que o questionava.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave