Vanuatu critica falta de coordenação de ONGs e teme falta de alimentos

Vice-presidente da Comissão Nacional de Catástrofes, Benjamin Shing, destacou que muitas ONGs trabalham por conta própria, ao invés de cooperar com o governo

iG Minas Gerais | AFP |

Ciclone Pam atingiu o pico de intensidade na sexta-feira (13) à noite, registrando ventos, em média, de 250 a 270 quilômetros por hora (km/hora)
Inga Mepham / CARE / AFP
Ciclone Pam atingiu o pico de intensidade na sexta-feira (13) à noite, registrando ventos, em média, de 250 a 270 quilômetros por hora (km/hora)

O governo de Vanuatu criticou as organizações humanitárias mobilizadas no arquipélago devastado por um violento ciclone por falta de coordenação, o que custa um tempo precioso, e advertiu que a fome ameaça os moradores.

O vice-presidente da Comissão Nacional de Catástrofes, Benjamin Shing, afirmou que o país, um dos mais pobres do mundo, agradece a ajuda das associações internacionais, mas destacou que muitas ONGs trabalham por conta própria, ao invés de cooperar com o governo.

O ciclone Pam arrasou o arquipélago de 270.000 habitantes na sexta-feira, com rajadas de ventos superiores a 320 km/h.

"Sinto muito, mas tenho que dizer. Em quase todos os países para os quais viajam, têm os próprios sistemas operacionais, as próprias redes e se negam a seguir as diretrizes governamentais", afirmou.

O diretor da Oxfam para Vanuatu, Colin Collett van Rooyen, rebateu as acusações e negou uma falta de cooperação.

A confusão impera também a respeito do balanço de vítimas. A ONU mencionou em um primeiro momento 44 mortes não confirmadas, depois 24 e reduziu o número para 11 vítimas fatais.

Mas o governo afirma que apenas sete pessoas morreram vítimas da tempestade.

"Tecnicamente, sete mortes podem ser atribuídas ao ciclone", declarou Shing, antes de explicar que quatro pessoas que faleceram eram pessoas que já estavam hospitalizadas.

As associações de ajuda internacional enfrentam um quebra-cabeças logístico para atender os 270.000 habitantes deste arquipélago de 80 ilhas, um dos países mais pobres do planeta.

O primeiro-ministro Joe Natuman informou que será necessária pelo menos uma semana para esclarecer a situação, já que a magnitude dos danos e das necessidades continua sendo em grande parte desconhecida.

O Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (OCHA, na sigla em inglês) revisou o balanço de mortos, que caiu de 24 para 11, vitimados pelo ciclone que provocou rajadas de vento de 320 km/h.

Port Vila, a capital, na ilha de Efate, foi uma das principais áreas afetadas, assim como as ilhas meridionais de Tanna e Erromango.

Mas muitas ilhas permaneceram fora do alcance das equipes de resgate.

O arquipélago muito popular entre os turistas por suas praias de areia branca e águas azul-turquesa está acostumado com tempestades. Mas os mais velhos dizem que nunca viram um tal desastre, considerando que a tempestade foi pior do que o terrível ciclone Uma 1987.

O presidente Baldwin Lonsdale estimou que as mudanças climáticas agravaram a catástrofe. "Nós estamos vendo a ascensão do nível do mar, a mudança nos padrões climáticos", concluiu.

Leia tudo sobre: VanuatuciclonedevastadoONGsfalta de alimentos