Renan diz que Congresso 'cumprirá seu papel' na retomada da economia

A declaração de Renan ocorre em meio à votação das medidas provisórias do ajuste fiscal encaminhadas pelo Executivo ao Congresso

iG Minas Gerais | Folhapress |

Renan Calheiros diz que não conhece Youssef ou envolvidos na Lava Jato
Antonio Cruz/ABr – 3.7.2013
Renan Calheiros diz que não conhece Youssef ou envolvidos na Lava Jato

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), se reuniu na manhã desta quarta-feira (18) com a presidente Dilma Rousseff e prometeu que o Congresso Nacional vai "cumprir o seu papel" para ajudar o país na retomada do crescimento de sua economia.

Em nota divulgada após o encontro, Renan afirma ter relatado à presidente sua divergência em relação à condução política e ao ajuste fiscal promovido pelo governo federal, mas disse que o Congresso vai agir em favor do país.

"O presidente do Senado Federal esclareceu que, apesar de, pessoalmente, ter divergências na condução política e no ajuste fiscal como um fim em si mesmo, o Congresso Nacional, institucionalmente, irá cumprir seu papel com o propósito de retomar o crescimento da economia, a confiança e segurança jurídica, criar alternativas e aperfeiçoar a legislação", afirma a nota de Renan.

A declaração de Renan ocorre em meio à votação das medidas provisórias do ajuste fiscal encaminhadas pelo Executivo ao Congresso. Há resistências do PMDB às medidas, partido de Renan, assim como de outras siglas aliadas da presidente Dilma Rousseff.

CORRUPÇÃO

No encontro, Dilma e Renan também conversaram sobre o pacote anticorrupção encaminhado pela presidente ao Legislativo nesta terça (17). O presidente do Senado disse que, na conversa, falou a Dilma que o Legislativo já aprovou uma série de medidas de combate à corrupção em meio aos protestos populares de 2013, como a que exige ficha limpa para servidores públicos.

Dilma anunciou o pacote anticorrupção nesta quarta, depois de ter encaminhado as propostas ao Congresso, em resposta aos protestos contra o governo realizados no último domingo (15).

Dos sete itens do pacote, porém, só um tem aplicação imediata: a que regula a lei Anticorrupção. Todas as outras dependem do Congresso ou do trabalho de uma comissão que ainda será formada.

Renan disse que o Senado já aprovou algumas medidas previstas no pacote, como tornar a corrupção crime hediondo, e listou outras matérias que já tramitaram na Casa, como a derrubada da proposta que restringia os poderes investigativos do Ministério Público e a tipificação dos crimes de contrabando e descaminho.

Segundo o senador, a reunião com a presidente ocorreu a convite de Dilma no Palácio da Alvorada, residência oficial da petista.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave