Com plantel renovado, seleção inicia caminhada no Mundial feminino

Incluso em um grupo complicado, Brasil se mostra convicto das dificuldades; terminar entre as oito melhores equipes do mundo é a meta inicial

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Zanon orienta sua equipe em últimos dias de treinamento antes da estreia no Mundial da Turquia
Murat Ozturk/CBB/ Bradesco
Zanon orienta sua equipe em últimos dias de treinamento antes da estreia no Mundial da Turquia

O ano era 1994. Diante da forte seleção chinesa, Magic Paula partia para a linha de lance livre, convertia os dois arremessos e selava a conquista do primeiro e único título mundial do basquete feminino brasileiro. Uma glória escrita por jogadoras como Hortência, Leila, Janeth, Alessandra, Cíntia. Vinte anos depois, as páginas viradas deste livro encontram um novo fôlego. Mais um Mundial bate à porta, desta vez com esperanças bem mais modestas, mas nem por isto o torcedor brasileiro deve deixar de acreditar.

Relembre as emoções de 1994:

Contra a República Tcheca, neste sábado, às 15h15 (de Brasília), a seleção brasileira inicia sua participação na 17ª edição do Campeonato Mundial. E não vai ter moleza. Pelo Grupo A, a equipe ainda irá enfrentar Espanha e Japão.

"A chave que caímos está com um nível muito alto. Mas vamos buscar uma vitória de cada vez. Acredito que esta seja a receita. Será um grande aprendizado e uma experiência sem tamanho para mim e a maioria das meninas que também fazem a estreia no Mundial", diz a pivô Clarissa, do Unimed/Americana-SP, e que com seus 26 anos é uma das responsáveis pela baixa média da idade da equipe (25 anos), a quarta menor do Mundial da Turquia.

E Clarissa tem razão sobre a quantidade de estreantes na competição. Dentre as 12 convocadas, apenas as experientes Adrianinha e Érika, além da jovem Damiris participaram de outros Mundiais. Este trabalho de renovação no plantel é comandado por Luiz Augusto Zanon, técnico da seleção brasileira e também da equipe masculina do São José.

Na prancheta do treinador, a esperança de uma boa participação está traçada. Mesmo que ela seja bem mais simplória. Apesar da juventude e das evidentes dificuldades ao longo do torneio, Zanon vê sua equipe capaz de chegar ao menos entre as oito melhores do mundo.

"Para este Mundial, é difícil (conquistar o título). É um time muito novo. Mas também não me assustei com o que vi. Acho que dá para a gente fazer um Mundial forte. Vai depender muito do primeiro jogo contra a República Tcheca, que é a quinta, e depois pegamos a Espanha, que é a sexta do mundo. Decidiremos contra o Japão a permanência. É tudo muito complicado. Vamos tentar buscar ficar entre os oito, que seria uma meta legal", afirmou o técnico.

Opinião

Está claro que o planejamento brasileiro tem um único alvo - os Jogos do Rio. O Mundial servirá como um aprendizado. Um status de franco-atirador que alivia a pressão e pode trazer benefícios. Resta saber como as meninas do Brasil reagirão em uma disputa de nível internacional.

Ficha Brasil

Posição Ranking da FIBA: No. 7 Última participação no Campeonato Mundial: 2010 (4 vitórias, 4 derrotas, nono lugar) Melhor resultado na história do Campeonato Mundial: Campeão (1994) Forma de classificação ao Campeonato Mundial: Terceiro lugar na Copa América de Basquete Feminino 2013 (5 vitórias, 1 derrota).

Veja todos os confrontos da fase de grupos (horários de Brasília):

GRUPO A - ANKARA 27/09 - 10h15 - Japão x Espanha 27/09 - 15h15 - Brasil x República Tcheca

28/09 - 10h15 - República Tcheca x Japão 28/09 - 15h15 - Espanha x Brasil

30/09 - 8h - Brasil x Japão 30/09 - 10h15 - Espanha x República Tcheca

GRUPO B - ANKARA 27/09 - 8h - Moçambique x Canadá 27/09 - 13h - Turquia x França

28/09 - 8h - França x Moçambique 28/09 - 13h - Canadá x Turquia

30/09 - 13h - Moçambique x Turquia 30/09 - 15h15 - França x Canadá

GRUPO C - ISTAMBUL 27/09 - 8h15 - Cuba x Austrália 27/09 - 10h30 - Coreia x Belarus

28/09 - 8h15 - Austrália x Coreia 28/09 - 13h15 - Belarus x Cuba

30/09 - 10h30 - Austrália x Belarus 30/09 - 12h15 - Coreia x Cuba

GRUPO D - ISTAMBUL 27/09 - 13h15 - Sérvia x Angola 27/09 - 15h30 - China x EUA

28/09 - 10h30 - Angola x China 28/09 - 15h30 - EUA x Sérvia

30/09 - 8h15 - Sérvia x China 30/09 - 15h30 - EUA x Angola

Forma de disputa

A 17a edição do Campeonato Mundial de basquete possui 16 seleções, divididas em quatro grupos. Em cada chave, quatro equipes lutam pela classificação ao mata-mata, sendo que o primeiro colocado avança diretamente às quartas de final. Os segundos e terceiros lugares de cada grupo também seguem na competição e se enfrentam na fase decisiva em uma espécie de eliminatória para decidir quem segue até às quartas. Os últimos colocados na primeira etapa do torneio estão eliminados.

Em uma hipotética classificação à próxima fase como segundo ou terceiro da chave A, o Brasil teria como adversário as seleções do grupo B. São elas Canadá, França, Moçambique e Turquia. Caso passe em primeiro, a seleção brasileira terá como rival nas quartas de final o vencedor do jogo 27, partida que reúne o segundo colocado do Grupo C frente ao terceiro colocado do D.

Leia tudo sobre: basquetemundialseleção femininabrasiladrianinhaérikaclarissa