Jornalista reconhece sequestrador

Henin ficou preso com os jornalistas norte-americanos James Foley e Steven Sotloff, decapitados pelo grupo Estado Islâmico

iG Minas Gerais |

Paris, França. Um jornalista francês feito refém durante meses por extremistas na Síria diz que um de seus sequestradores era um francês suspeito de matar quatro pessoas no Museu Judaico de Bruxelas, no início deste ano.  

A revista francesa “Le Point” diz que seu repórter, Nicolas Henin, foi torturado por Mehdi Nemmouche, um francês que passou um tempo com extremistas na Síria e que agora está sob custódia. Os governos europeus temem que seus cidadãos que se juntaram a combatentes radicais na Síria voltem e façam ataques em seus países de origem.

Henin ficou preso com os jornalistas norte-americanos James Foley e Steven Sotloff, decapitados pelo grupo Estado Islâmico. Ele foi solto em abril.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave