Polícia da Irlanda busca brasileiro que desapareceu

Caíque Trindade, 24, foi visto pela última vez no dia 6

iG Minas Gerais |

Drama. Amigos e parentes se mobilizam à procura de informações sobre paradeiro de Caíque
Reprodução Facebook
Drama. Amigos e parentes se mobilizam à procura de informações sobre paradeiro de Caíque

SÃO PAULO.  O desaparecimento de um intercambista em Dublin, na Irlanda, tem motivado buscas da polícia e da comunidade brasileira local desde o último dia 6. Caíque Trindade de Oliveira, 24, saiu de seu apartamento em Clondalkin, no subúrbio da cidade, por volta das 10h do último dia 6 e, desde então, não foi mais encontrado.

Segundo sua mãe, Valclecia Trindade, o desaparecimento ocorreu após alguns desentendimentos do rapaz com um colega com quem dividia a casa. Ela está na capital irlandesa desde a última quarta-feira, depois que outros moradores do apartamento a alertaram sobre variações no humor do filho.

Na véspera do sumiço, ele disse à mãe por telefone que procuraria ajuda de um psicólogo. “Tinha momentos em que ele sorria e logo depois chorava. Acharam que ele tinha surtado”, afirma Valclecia.

O motivo original de sua ida a Dublin era verificar se Caíque realmente precisava de auxílio e, em última instância, levá-lo de volta para o Brasil.

No entanto, pouco depois de aterrissar, foi informada do sumiço do rapaz.

Valclecia então acionou a polícia local e a embaixada brasileira na cidade. Depois de quatro dias sem ter sucesso nas buscas, ela relatou o desaparecimento em sua página numa rede social. “Eu e meus familiares estamos em contato com a polícia local que tem prestado total apoio em nossa busca. Já entramos em contato com a embaixada e as mídias irlandesas, porém ainda não obtivemos nenhum retorno”.

À reportagem, ela destacou a solidariedade prestada pela comunidade local de brasileiros. “A gente se organiza em grupos e faz buscas em parques e comércios, principalmente na hora do almoço e do jantar”.

A escolha por intensificar a procura nesses horários se deve aos últimos vestígios deixados por Caíque. No dia 6, quando desapareceu, ele saiu de casa apenas com a roupa do corpo, dois salgados e uma garrafa de água. Não levou nenhum documento consigo e, míope, deixou os óculos em casa.

Um dia depois, sua carteira, contendo dinheiro, cartão de crédito e um Leap Card (o Bilhete Único dublinense) foi encontrada em um mercado na vizinhança de onde vivia.

Além disso, funcionários de uma lanchonete Subway que costumava frequentar informaram tê-lo visto na quarta-feira, dia 8 – ele, inclusive, deixou um livro no local. Também na semana passada, Caíque pediu comida em um bar num endereço próximo ao de sua casa.