Stedile diz que Levy é 'capitalista infiltrado' no governo Dilma

Líder do Movimento dos Sem Terra (MST) solicitou ainda que presidente "saia do Palácio" para ouvir trabalhadores

iG Minas Gerais | Folhapress |

Joaquim Levy é acusado de capitalista
RENATO COSTA
Joaquim Levy é acusado de capitalista

O líder do Movimento dos Sem Terra (MST) João Pedro Stedile disse nesta sexta-feira (13) em manifestação no centro do Rio de Janeiro que não aceita "infiltração de capitalistas" e do ministro Joaquim Levy (Fazenda) no governo federal. Ele pediu também que a presidente Dilma Rousseff "saia do Palácio" para ouvir os trabalhadores.

Stedile foi o último a discursar no carro de som da manifestação em defesa da Petrobras e contra o impeachment da presidente. Eles saíram da Cinelândia e caminharam em direção à sede da estatal. De acordo com a Polícia Militar, 1.500 pessoas participam do ato. Segundo os organizadores, o ato foi acompanhado por 5.000 pessoas.

"Já chega de infiltração de capitalista no governo. Não aceitamos a infiltração de um tal de [Joaquim] Levy", disse do ministro da Fazenda. "Não podemos fazer ajuste às custas do trabalhador. A crise que o Brasil vive é culpa dos capitalistas. Não aceitamos a redução do direito da classe trabalhadora. Dilma, saia do palácio e venha para rua ouvir os trabalhadores", defendeu Stedile.

O líder do MST afirmou que a corrupção na estatal foi causada por "meia dúzia de filhos da puta". Ele afirmou que "a Globo quer iludir e dizer que esses caras são de esquerda, que são do PT". "Não, eles são ladrões. Lugar de corrupto é na cadeia. Corrupção existe no Brasil desde que chegou o primeiro europeu aqui." O líder o MST defendeu também que não haja redução de pena para os delatores do esquema na Petrobras.

Stedile afirmou que a solução para o fim da corrupção é a adoção do financiamento público de campanha e a reforma política, através de uma Assembleia Constituinte -como proposto pela presidente Dilma 2013, sem sucesso. Ele criticou o ministro Gilmar Mendes por travar o julgamento sobre a inconstitucionalidade de doações de empresas nas eleições. Ele pediu vista do processo quando a proibição vencia com 6 dos 11 votos do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ele também afirmou que aceita a disputa "nas ruas" com a "burguesia". "Há 40 mil paulistas nas ruas, há gente em Brasília, Salvador e Pernambuco. Burguesia, não se atrevam a falar em golpe. Nós defendemos a democracia e o direito legítimo de eleger nas urnas os nossos representantes. Eles querem disputar conosco nas ruas e nós aceitamos. O povo pode não ter a maioria nos tribunais, no Congresso, mas temos a maioria das ruas."

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave