RBR se irrita com quebra de motor e quer explicações da Renault

O piloto Daniel Ricciardo precisou abandonar os treinos livres desta sexta-feira, após seu carro não apresentar problemas no propulsor

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O RB11 está sendo analisado pelos engenheiros da Red Bull antes do início dos testes qualificatórios deste sábado
Facebook/ Red Bull
O RB11 está sendo analisado pelos engenheiros da Red Bull antes do início dos testes qualificatórios deste sábado

O piloto Daniel Ricciardo da Red Bull conseguiu percorrer apenas 50km nos treinos livres do GP da Austrália, nesta sexta-feira, no autódromo Albert Park, antes do seu carro, o RB11, apresentar problemas no motor. O fato foi a gota d'água para a equipe vai pedir novamente explicações à Renault. 

“O motor quebrou em apenas 50 km. Na quarta-feira teremos uma reunião na Inglaterra. Os técnicos da Renault que são responsáveis não estão aqui, com sorte chegarão esta noite. Isso é inaceitável e não pode voltar a acontecer. Quebrar um motor em 50 km é inconcebível", afirmou após os treinos o chefe de equipe da RBR, Christian Horner.

Desde o ano passado,a Red Bull mantém uma irritação com os propulsores da fornecedora francesa, que ainda não conseguiu encontrar uma solução para os problemas, desde que os motores passaram de V8 para V6, no início da temporada passada.

A insatisfação também tomou conta da Lotus, que para este ano trocou os motores Renault pelos da Mercedes. A equipe apresentou diversos problemas no carro em 2014, o que acarretaram em uma das piores temporadas, ficando em oitavo no Mundial de Construtores ao somar apenas 10 pontos em todo o campeonato.

Desse modo, para este ano, a Renault está fornecendo motores apenas para a Red Bull e a Toro Rosso- equipe satélite da RBR. Caso os problemas continuem a assolar o time austríaco, é bem provável que o acordo com a fornecedora francesa seja rompido no próximo ano.

"Não é só confiabilidade. Encontramos uma resposta e a evolução do motor está pior do que nos testes (pré-temporada). Nós queríamos uma (evolução) melhor. Tivemos um retrocesso ao invés de uma melhora. É incompreensível. A diferença para a Mercedes está maior que no ano passado", ressaltou o consultor da Red Bull, Helmut Mark .

Neste sábado, os pilotos voltarão às pistas para o treino qualificatório que decidirá a posição de cada um no grid de largada do GP da Austrália.

Leia tudo sobre: red bullrenaultformula 1lotusgp da australiacarro