Polícia identifica quatro envolvidos no tiroteio em escola de Betim

Instituição de ensino tem pelo menos 30 câmeras de segurança espalhadas pelos corredores e salas de aula; região recebeu reforço na segurança

iG Minas Gerais | Aline Diniz |

Insegurança. Nos primeiros 59 dias do ano, a cidade de Betim registrou ao menos 58 assassinatos
talitha marinho
Insegurança. Nos primeiros 59 dias do ano, a cidade de Betim registrou ao menos 58 assassinatos

A Polícia Militar (PM) identificou quatro criminosos que participaram do tiroteio que acabou com um jovem de 20 anos morto e outras quatro pessoas feridas nessa quinta-feira (12) em uma escola de Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte.

O tenente-coronel Edmilson Sabino, comandante do 33º Batalhão de Polícia Militar, preferiu não informar os nomes dos criminosos para não atrapalhar as investigações.

Gravações das câmeras de segurança da Escola Estadual Senador Teotônio Vilela foram colhidas pela PM e encaminhadas à Polícia Civil. "Todas as informações são repassadas para a investigação", garantiu Sabino. A instituição de ensino tem pelo menos 30 câmeras de segurança espalhadas pelos corredores e salas de aula. 

A PM suspeita que a motivação do crime seja uma disputa de gangues de tráfico de drogas por território. "A primeira informação é que ele (Bruno) seja usuário", informou o tenente-coronel. 

Reforço na segurança

A região do bairro Jardim Teresópolis recebeu reforço de quatro viaturas da PM, que ficarão no local dia e noite, por tempo indeterminado. Homens da Cavalaria e do Batalhão de Rondas Táticas Metropolitanas vão intensificar o patrulhamento na região do bairro Teresópolis.

Relembre o caso

Após o fim das aulas do turno da manhã, por volta de 11h30, um grupo de oito jovens conversava em um ponto de ônibus, do lado de fora da escola. Outros cinco rapazes chegaram atirando e, no meio da confusão, vítimas e atiradores correram para dentro da unidade de ensino. No pátio, Bruno Alves de Souza, de 20 anos, morreu depois de ser atingido na nuca e no queixo. 

Uma professora, a vice-diretora e outros dois adolescentes também ficaram feridos e precisaram ser hospitalizados. Ninguém foi preso. 

Leia tudo sobre: tráficocrimedisputaganguebetimescola