Vereadora quer criar "Dia Municipal da Esposa do Pastor"

Ela é casada com um político que já concorreu a deputado federal sob o nome de "Pastor Doriedson", mas assessoria nega que ela seja pastor

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

Um projeto de lei que foi aprovado na última terça-feira (10) em Coronel Fabriciano, na região do Rio Doce, causa polêmica. É que ele cria o Dia Municipal da Esposa do Pastor, uma data específica para homenagear as mulheres dos pastores, que segundo a autora do projeto, a vereadora Andrea Botelho (PSL), sofrem muito preconceito e intolerância religiosa.

“O próprio projeto já está sendo alvo de muito preconceito e intolerância religiosa. É um projeto que não vai criar nenhuma despesa para o município, nenhum custo, não vai ser feriado neste dia, nem nada. É só um dia de homenagem”, explica a vereadora. 

Ela é casada com o político Doriedson Botelho, que já foi candidato a deputado federal em 2002, onde concorreu com o nome de “Pastor Doriedson” pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB). No entanto, a vereadora nega que seja esposa de um pastor. Segundo a assessoria dela, o marido Doriedson Botelho não é pastor, mas foi missionário há algum tempo.

Botelho explica que o projeto é uma forma de dar visibilidade às mulheres que ajudam os outros no campo espiritual. “As esposas dos pastores estão sempre ali ao lado dele dando suporte, e também orando pelas famílias. Não vejo porquê não ter um dia em homenagem a elas, afinal, existe o Dia do Pastor e ninguém nunca questionou, não houve nenhum problema quanto a isso. Qual o problema em homenagear também as mulheres? Eu vou continuar lutando por isso, a mulher sempre é vítima de preconceito”, diz.

Se for sancionado pela prefeita da cidade, o dia 3 de março passa a ser considerado o Dia da Esposa do Pastor em Coronel Fabriciano.