COB revela valores recebidos por seus funcionários

Tribunal de Contas da União (TCU) pediu que fossem divulgados valores pagos com recursos da Lei Piva

iG Minas Gerais | Da redação |

O Tribunal de Contas da União (TCU) pediu e o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) atendeu. O órgão exigiu que a entidade esportiva divulgasse os valores de seus funcionários que são pagos com recursos da Lei Piva, proveniente do dinheiro das loterias federais. No documento, os nomes do presidente e do vice-presidente, Carlos Arthur Nuzman e Andre Richer respectivamente, não estão relacionados a nenhum valor.

De acordo com o “UOL Esporte”, o teto salarial da diretoria do COB é de um R$ 37.857 por mês, para aqueles que estão nos cargos de diretor administrativo-financeiro, de comunicação e educação corporativa, de cultura olímpica e de executivo de esportes.

O Comitê não é um órgão público, portanto não está condicionado aos parâmetros do funcionalismo público, o que justifica os salários excederam em mais de R$ 4 mil o piso dos ministros do STF, que recebem os valores mais altos.

O documento também revelou uma arrecadação de R$ 40 mi em patrocínios ao longo do ano de 2013, e mais R$ 62,4 mi da Lei Piva, ainda segundo o UOL. A reportagem tentou acessar a página institucional da entidade, que estava fora do ar nesta tarde.

Esta Lei, que foi aprovada ainda durante o governo FHC, estabelece que 2% dos recursos das loterias federais sejam destinados ao COB e ao Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). O primeiro fica com 1,7%, e o segundo, com 0.3%.

Leia tudo sobre: cobolimpíadasvalorestcusalárioslei pivacomitê olímpico brasileiro