Janot reage a críticas contra investigação da Operação Lava Jato

O procurador afirmou que não vai permitir que "interesses ou preocupações que estejam além do Direito" influenciem suas decisões

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

Brasília- DF- Brasil- 02/02/2015- Cerimônia de abertura dos trabalhos do Judiciário, no Supremo Tribunal Federal (STF) 
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
02/02/2015- Brasília- DF, Brasil- O procurador-geral da República, Rodrigo Jannot, durante cerimônia de abertura dos trabalhos do Judiciário, no Supremo Tribunal Federal (STF).

foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Antonio Cruz/Agência Brasil
Brasília- DF- Brasil- 02/02/2015- Cerimônia de abertura dos trabalhos do Judiciário, no Supremo Tribunal Federal (STF) Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil 02/02/2015- Brasília- DF, Brasil- O procurador-geral da República, Rodrigo Jannot, durante cerimônia de abertura dos trabalhos do Judiciário, no Supremo Tribunal Federal (STF). foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reagiu hoje (13) às criticas de parlamentares investigados na Operação Lava Jato. Em reunião com procuradores-gerais, Janot disse "causar espécie que vozes do Parlamento" tenham se aproveitado da CPI da Petrobras para atacar o Ministério Público Federal, órgão responsável pela condução das investigações. Em discurso aos procuradores, Janot afirmou que continuará seu trabalho para garantir a independência do Ministério Público e para que os responsáveis pelos desvios na Petrobras sejam punidos.

"Causa espécie que vozes do Parlamento, aproveitando-se de uma CPI instaurada para investigar o maior esquema de corrupção já revelado no país, tenham-se atirado contra a instituição, que começa a desvelar a trama urdida contra a sociedade”, disse. “Pelos esforços do Ministério Público, o esquema foi exposto ao país e será também pela nossa atuação que os verdadeiros culpados irão responder judicialmente e sofrerão as penas cabíveis", completou Janot.

O procurador afirmou que não vai permitir que "interesses ou preocupações que estejam além do Direito" influenciem suas decisões. "Continuo acreditando firmemente que a grande maioria dos homens de bem que integram as nossas instituições não se quedarão inertes; que os cidadãos que pagam impostos e que cumprem com seus deveres cívicos saberão, nessa hora sombria e turva da nossa história, distinguir entre o bem e mal; entre a decência e a vilania; entre aqueles que lutam por um futuro para o país e aqueles que sabotam nosso sentimento de nação", disse.

Ontem (12), em reunião da CPI da Petrobras, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), defendeu mudança na lei para proibir a recondução de procuradores-gerais. Cunha criticou os pedidos de investigação apresentados por Janot, a quem acusou de ter motivação política para incluí-lo na lista dos políticos envolvidos na Lava Jato. Cunha sugeriu que a ação seria para agradar o Executivo, Durante a reunião, parlamentares apoiaram a iniciativa.

Leia tudo sobre: lava jato. lavajato