'Se montar uma barraquinha no Comperj, consigo 18 mil garis', diz Paes

O sindicato rejeitou a proposta de aumento de 3% apresentada pela Prefeitura do Rio

iG Minas Gerais | Folhapress |

Em São Paulo, há empate técnico entre José Serra e Russomanno
FELIPE DANA/ AP - 9.7.2012
Em São Paulo, há empate técnico entre José Serra e Russomanno

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), afirmou nesta sexta-feira (13) que está aberto a negociações para reajustar o salário dos garis, em greve desde quinta (12) à noite. Ele disse, contudo, que o município não vive uma situação de "conforto fiscal" e que, neste período de crise econômica, "trabalhadores do Brasil estão negociando para não serem demitidos".

"Estamos num momento de crise no Brasil. A maioria dos trabalhadores do Brasil estão negociando para não serem demitidos. Estamos dando aumento todo ano. Se eu chegar lá no Comperj [Complexo Petroquímico do Rio], montar uma barraquinha e disser: 'Preciso de garis emergenciais no Rio'. Vou trazer 18 mil garis para cá para ajudar", disse Paes, após o anúncio de construção de um empreendimento residencial de luxo na zona portuária.

A refinaria da Petrobras, em construção em Itaboraí (RJ) -cidade a 51 km do Rio-, chegou a ter 35 mil trabalhadores em agosto de 2013. No mês passado, eram pouco mais de 10 mil. O desemprego foi provocado pela revisão de contratos na estatal e as investigações de corrupção da Operação Lava Jato.

O sindicato rejeitou a proposta de aumento de 3% apresentada pela Prefeitura do Rio. Eles pediram cerca de 40% de reajuste. Paes afirmou que reajustou em 133% o salário da categoria desde 2009, quando assumiu o cargo -incluindo um reajuste de 40% no ano passado, após greve durante o Carnaval.

"A Prefeitura do Rio não está atrasando pagamentos nem reduzindo investimentos. Mas não estamos numa situação de conforto fiscal. É uma categoria que ganhou [no ano passado] 40% de aumento, quase 100% no tíquete-refeição, plano de saúde dentário... Por mim gari ganhava mais como secretário, mas é a vida como ela é. Vivemos uma crise no Brasil, com muito desemprego. Não é possível atender mais um ano de 40% de aumento", disse o prefeito.

Paes disse que o município está "aberto para discussão". Enquanto a greve não é encerrada, a prefeitura implementou o plano de contingência, privilegiando a coleta de lixo domiciliar e com equipes de segurança acompanhando caminhões de lixo, para evitar que piquetes impeçam o trabalho.

"Fomos surpreendidos. Março é o mês do dissídio. A proposta foi muito alta e fizemos uma contra proposta. A prefeitura está aberta para discussão", disse Paes.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave