Energia deve subir 38,3% neste ano, diz Banco Central

Expectativa do BC para alta da gasolina foi mantida em 8%

iG Minas Gerais |

BRASÍLIA. O preço da energia elétrica deve subir 38,3% neste ano, segundo estimativa divulgada ontem pelo Banco Central. Em janeiro deste ano, o BC previa uma alta menor para a energia elétrica: de 27,6%. A previsão faz parte da ata da última reunião do Comitê de Política Econômica (Copom) da autoridade monetária, ocorrida na semana passada, quando a taxa básica de juros da economia, a Selic, avançou para 12,75% ao ano. É o maior patamar alcançado em seis anos.

A estimativa de alta no preço da energia é reflexo do repasse às tarifas do custo de operações de financiamento que foram contratadas em 2014. Além das bandeiras tarifárias, a alta das contas foi resultado da revisão extraordinária das tarifas aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). E agora tem o reajuste anual. Em Minas, a Cemig enviou o pedido de revisão, mas não anunciou o índice requerido. A agência tem até o dia 7 de abril para determiná-lo.

Já com relação às projeções de inflação para 2015, o BC também elevou as projeções no cenário de referência e no de mercado em relação ao porcentual considerado no documento de janeiro. Nos dois casos, a estimativa permanece acima do centro da meta de 4,5% fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). O último Relatório de Mercado Focus aponta para uma taxa de 7,47% para o período. Já no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o BC informou que a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor amplo (IPCA) de 2015 no cenário de referência subiu de 5,8% para 6,1%. No cenário de mercado, houve uma redução da projeção de 6,1% para 6%.

Gasolina, gás e telefonia fixa. O Banco Central manteve em 8% a sua estimativa para a alta da gasolina neste ano – mesmo patamar estimado em janeiro, na reunião anterior do Copom.

A estimativa é que o preço do gás de cozinha tenha um aumento de 3,2% (previsão um pouco superior à alta de 3% estimada em janeiro), enquanto que a telefonia fixa deve ter queda de 4,1% em 2015. Em janeiro, o BC previa um aumento de 0,6% para o setor.

Cemig

Mais. Especialistas do setor já estimaram que os reajustes nas contas de luz da Cemig devem ultrapassar 50% em 2015. Já houve o reajuste da bandeira tarifária e o reajuste extra de 28,8%.

Conjunto de administrados subirá 10,7% BRASÍLIA. Com a alta da tributação sobre a gasolina e fim de repasses para as conta de luz, o Banco Central informou que prevê para o conjunto de preços administrados (que são aqueles cujo reajuste de preços é determinado pelo governo) um aumento de 10,7% neste ano. Na ata do Copom do último mês de janeiro, a alta prevista era menor: de 9,3%. Entre preços administrados no país estão telefonia, água, energia elétrica, combustíveis e tarifas de ônibus, dentre outros.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave