Último ato antes dos play-offs

Time de BH pode até chegar ao terceiro lugar; rival Praia Clube ainda sonha com quarto posto

iG Minas Gerais | Thiago Prata |

Responsa. 

Jaqueline vem liderando a equipe do Minas dentro de quadra
DENILTON DIAS / O TEMPO
Responsa. Jaqueline vem liderando a equipe do Minas dentro de quadra

Os oito clubes dos play-offs já estão definidos. Mas nem por isso faltará emoção na última rodada da primeira fase da Superliga feminina, que terá seis partidas começando às 21h30 desta sexta. Algumas brigas por posições mais altas na tabela são bastante aguardadas. A principal delas envolve os rivais mineiros. As equipes do Camponesa-Minas e Dentil-Praia Clube entram em quadra na busca por um lugar no G-4. E somente uma delas terá vantagens nas quartas de final.

Com um ponto de vantagem sobre o time de Uberlândia, o Minas encara o São Cristóvão Saúde-São Caetano-SP, na Arena da rua da Bahia, em BH, enquanto o Praia pega o Maranhão-Cemar-MA, no Castelinho, em São Luís.

Se vencer por 3 sets a 0 ou 3 a 1, o time minastenista fica à frente do Praia e entra com a vantagem de decidir em casa a vaga para as semifinais, caso seja necessário um terceiro jogo-desempate entre as equipes nos play-offs. Já as comandadas por Ricardo Picinin necessitam de um triunfo e torcer por um tropeço do clube belo-horizontino. Existe uma grande possibilidade de os dois mineiros medirem forças na próxima fase. No entanto, há uma chance de o Minas ultrapassar o Molico-Nestlé, terceiro colocado com 51 pontos, dois a mais que as minastenistas, na última rodada, o que colocaria Praia e o time de Osasco frente a frente nas quartas de final.

Expectativa. Independentemente do que possa acontecer com Praia e Molico na rodada, o técnico do Minas, Marco Queiroga, espera ver uma grande atuação de suas atletas e, logicamente, quer a vitória. "O importante de tudo isso é fazemos nosso trabalho sempre bem-feito. Não adianta acontecer coisas do outro lado que sejam favoráveis a nós se não fizermos nossa parte. Estamos trabalhando para trazer condições favoráveis a nós”, disse.

Já o Praia tenta deixar uma boa impressão para os play-offs, tendo ou não a vantagem. “O Maranhão em casa é muito forte. Precisamos vencer lá para finalizarmos bem esta fase. Temos que jogar confiantes. A gente vem jogando em um nível muito bom, só temos que aprimorar alguns detalhes”, afirmou o técnico Ricardo Picinin.

Outra disputa

Pelo sétimo lugar. Adversário do Minas, o São Caetano (oitavo colocado, com 29 pontos) briga pelo sétimo lugar com o Brasília (o atual sétimo, com 30 pontos), que encara o Uniara-Afav-SP, fora de casa.

Jogo entre líder e vice tem ingrediente extra Já é certo que o Rexona-Ades-RJ terminará a primeira fase como líder e o Sesi-SP será o segundo colocado. Mas o encontro entre os dois melhores times da Superliga feminina possui um ingrediente extra, nesta sexta, no ginásio do Tijuca, no Rio. A equipe carioca tenta encerrar a primeira fase de forma invicta. Foram 23 vitórias em 23 jogos até então. “O Sesi-SP é uma equipe que vem forte nesta reta final de returno. Precisamos imprimir o nosso ritmo desde o começo, além de usar nossa torcida como um ponto a favor”, afirmou a ponta Gabi. Já o Sesi quer dar fim à invencibilidade do Rexona. “Não é só a vitória pela vitória, mas vale também para ganhar confiança e corrigir o que pode ser feito para os playoffs”, disse o técnico do Sesi, Talmo de Oliveira.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave