BH está em situação de alerta para epidemias de dengue e chikungunya

Levantamento foi apresentado pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira; primeiro caso de morte por dengue em Minas foi confirmado no dia 6 de março

iG Minas Gerais | Da redação |

Belo Horizonte está entre as 18 capitais brasileiras que estão em situação de alerta para epidemias de dengue e febre chikungunya, segundo informações do Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa) apresentado pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (12). O levantamento indica os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito que transmite doenças como dengue e febre chikungunya e também aponta os tipos de recipientes com água parada que servem de criadouro para o Aedes Aegypti.

Considera-se situação de aleta quando menos de 3,9% dos imóveis pesquisados nos municípios têm larvas do mosquito. Acima desse valor, o local é classificado como em situação de risco. Índices abaixo de 1% são considerados satisfatórios.

O primeiro caso de morte por dengue em Minas em 2015 foi confirmado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) no dia 6 de março. Trata-se de um idoso de 64 anos, que morreu em Iguatama, na região Centro-Oeste de Minas, vítima da doença, no dia 26 de janeiro. De acordo com o levantamento do Ministério da Saúde, mais da metade dos criadouros de larvas do Aedes aegypti na região sudeste está em depósitos domiciliares, como vasos de plantas, por exemplo.

Até o dia 7 de março, foram registrados 224,1 mil casos de dengue no país. O aumento é de 162%, comparado ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 85,4 mil casos. Na comparação com 2013, houve redução de 47%, ano em que foram registrado 425,1 mil casos da doença.

Embora tenha ocorrido aumento de casos na comparação do período, o número de óbitos caiu 32%, passando de 76 mortes, em 2014, para 52, neste ano. Também houve redução de 9,7% nos registros de casos graves. Em 2015, foram confirmados 102 casos de dengue grave, contra 113 em 2014. O Ministério registrou 913 casos confirmados de dengue com sinais de alarme.

Investimento

Para qualificar as ações de combate aos mosquitos transmissores da dengue e do chikungunya, o que inclui a contratação de agentes de vigilância, o Ministério da Saúde repassou um recurso adicional de R$ 150 milhões a todos os estados e municípios brasileiros. Deste total, R$ 121,8 milhões foram para as secretarias municipais de saúde e R$ 28,2 milhões para as secretarias estaduais.

Leia tudo sobre: denguechikungunyalevantamento