Twitter proíbe 'pornô vingativo' e ameaça perfis de suspensão

Prática consiste na divulgação "online" de fotos e vídeos de conteúdo sexualmente explícito sem a permissão da pessoa fotografada ou filmada

iG Minas Gerais | AFP |

Twitter anuncia ganhos de US$ 479 milhões
Reprodução
Twitter anuncia ganhos de US$ 479 milhões

O Twitter se tornou a última rede social a proibir o "pornô vingativo", prática que consiste na divulgação "online" de fotos e vídeos de conteúdo sexualmente explícito sem a permissão da pessoa fotografada ou filmada.

Nessa quarta-feira (11), em meio à atualização de sua política de uso, a empresa californiana tomou a decisão e optou pela suspensão das contas de usuários que tenham divulgado "fotos e vídeos íntimos, feitos ou publicados sem consentimento".

A atualização na política de uso do Twitter ocorre depois que a Reddit, voltada para a postagem de hiperlinks (relacionados a fotos, vídeos, textos etc.), foi contestada ao permitir a publicação de fotos de celebridades obtidas de forma ilegal.

No mês passado, o Twitter já tinha decidido pela exclusão das contas cujos tuiteiros roubem dados pessoais de outros usuários ou divulguem perfis falsos.

A medida foi bem recebida pela diretora na Organização de Direitos Civis na Internet, Mary Anne Franks, que tuitou: "A nova política do @Twitter contra o #revengeporn (pornô vingativo) é boa para a vida privada (e ruim para os misóginos)".

Em 2013, a Califórnia já tinha aprovado uma lei contra o "pornô vingativo", ao proibir a divulgação de fotos tiradas com a autorização de uma pessoa, mas publicadas em seguida sem que a mesma esteja ciente e de acordo.

Leia tudo sobre: Twitterproíbe'pornô vingativo'