'Bunga bunga para todos', promete Berlusconi de volta à política

Berlusconi, de 78 anos, considerou ter sido submetido a um julgamento "injusto e insensato"

iG Minas Gerais | AFP |

GREGORIO BORGIA/ASSOCIATED PRESS
undefined

Absolvido no processo por abuso de poder e incitação à prostituição, o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi anunciou nesta quarta-feira seu retorno à vida política e prometeu "bunga-bunga para todos".

"Levarei para sempre, no meu coração, a lembrança deste dia. Mas chega de emoção por hoje. Bunga bunga para todos!", brincou o magnata da Comunicação, em conversa com seus correligionários da Forza Italia (FI), que festejavam em sua residência em Roma.

"Arquivada essa triste página, volto para a política para lutar por uma Itália melhor. Graças aos juízes", declarou algumas horas antes, em nota oficial, esse líder indiscutível da direita italiana há pelo menos 20 anos.

O agradecimento aos juízes é incomum por parte do empresário e três vezes premiê, que nunca economizou ataques ao Poder Judiciário em sua longa carreira política.

Na terça-feira, depois de quase dez horas de deliberação, a mais alta instância da Justiça italiana confirmou a absolvição do ex-chefe de governo. Essa decisão definitiva não encerra, porém, outras pendências judiciais de "Il Cavaliere".

Com esse veredito, fica confirmada a sentença do tribunal de Apelação que invalidou, em julho de 2014, a condenação do ex-premiê em primeira instância a sete de anos de prisão, incluindo sua inelegibilidade permanente a qualquer cargo político.

Os juízes consideraram que Berlusconi dizia a verdade, ao alegar que tinha certeza de que a jovem "Ruby" - apelido da exuberante marroquina Karima el Mahroug, então com 17 anos - era maior de idade quando frequentava as noitadas na mansão do ex-premiê em Milão.

"Não negamos que à mansão de Arcore, perto de Milão, foram prostitutas que eram remuneradas por seus serviços. O que Berlusconi não sabia era que Ruby era menor de idade", esclareceu o advogado da defesa Franco Coppi.

Berlusconi, de 78 anos, considerou ter sido submetido a um julgamento "injusto e insensato".

"O pesadelo chegou ao fim", comentou seu assessor político Giovanni Toti.

"O processo Ruby desacreditou Berlusconi e toda a Itália", reagiu o porta-voz da FI na Câmara dos Deputados, Renato Brunetta.

Recuperar prestígio e peso político

Recuperar seu prestígio e peso político não será tarefa fácil, na avaliação de editorialistas e observadores da cena italiana.

Expulso do Senado após ser condenado por fraude fiscal - pena paga com quase um ano de prestação de serviços em um asilo de idosos -, o ex-premiê não pode ocupar cargos públicos até 2016, nem se candidatar ao Parlamento até 2018. Por esse motivo, já apresentou um recurso à Corte Europeia de Direitos Humanos.

"É preciso ver se ainda conta com a força física. Os anos passam para todos", comentou o professor de Ciência Política Franco Pavoncello, da Universidade John Cabot, de Roma.

"A influência de Berlusconi se reduziu. Agora, conta com um pequeno círculo", afirmou o cientista político Marco Tarchi, da Universidade de Florença.

Hegemônica força de centro direita no passado, a FI obteve apenas 16,8% dos votos nas últimas eleições em junho para o Parlamento Europeu, bem atrás de seu rival, o Partido Democrático.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave