Marcos Rocha orienta Patric: 'não pode bater de frente com a torcida'

O lateral pediu para o atleta ter paciência e manter a cabeça no lugar, já que para ele estas situações são normais

iG Minas Gerais | THIAGO NOGUEIRA |

Patric será mantido no plantel alvinegro e terá que brigar por vaga entre os titulares
BRUNO CANTINI/ATLÉTICO
Patric será mantido no plantel alvinegro e terá que brigar por vaga entre os titulares

A lateral costuma ser uma posição ingrata no futebol. É difícil agradar o tempo todo, afinal, é uma função que exige postura defensiva e ofensiva. Marcos Rocha, eleito o melhor da posição no Brasil nos últimos anos, já enfrentou diversos momentos difíceis.

Machucado, Rocha deu lugar ao companheiro Patric, que também passa por altos e baixos, ora vaiado, ora presenteado pelo esforço, como no golpe de sorte que originou o gol alvinegro no clássico contra o Cruzeiro – no chute errado de Fábio, a bola pegou nas costas de Patric e sobrou para Rafael Carioca marcar.

Paciência, cabeça no lugar. Essa é a dica de Marcos Rocha para o colega de posição.  “O Patric é um jogador muito confiante. Você vê isso nos treinamentos e nos jogos. Ele nos mostrou isso no ano passado, jogando pelo Sport, fazendo gols. Tenho certeza que ele vai conseguir superar esse momento e vai contribuir para a nossa equipe. Tem que manter os pés no chão, não querer bater de frente com a torcida”, sugeriu Marcos Rocha.

Na sua primeira passagem pelo clube, em 2011, Patric fez justamente o contrário. Após marcar contra o América, o jogador se dirigiu ao torcedor, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, pedindo silêncio.

Para o lateral, o episódio já é passado. Neste ano, seja nas declarações ou nos gestos, Patric não demonstrou qualquer chateação. “Estou tranquilo, em paz, trabalhando. Acho que a torcida nem tem pegado tanto no meu pé. Talvez tenha uma cobrança, que é normal, porque sabem do meu potencial”, afirmou o atleta.

Leia tudo sobre: patricmarcos rochalateralatleticocriticastorcida