Prefeitura vai ajuizar ação contra soltura das capivaras

O Ministério Público de Minas Gerais fez uma recomendação a Secretaria de Meio Ambiente e a Fundação Zoo-Botânica de liberar os animais de cativeiro

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

MPMG solicita soltura de capivaras mantidas na Fundação Zoo-Botânica
usuario_lavras@mail.com
MPMG solicita soltura de capivaras mantidas na Fundação Zoo-Botânica

A prefeitura de Belo Horizonte informou que vai ajuizar uma ação contra a recomendação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) de soltar imediatamente as capivaras que são mantidas em cativeiro pelo município desde setembro do ano passado. O MPMG também afirma que o prazo para que estes animais pudessem ser mantidos em cativeiro já expirou. Desde a captura das capivaras, a estimativa é que 30 dos 52 animais capturados já tenham morrido.

A assessoria da Secretaria de Meio Ambiente da capital (SMMA) informou que irá divulgar uma nota assim que a ação for ajuizada, o que deve acontecer nos próximos dias. Ainda pela determinação do MPMG, a SMMA e a Fundação Zoo-botânica de Belo Horizonte tem até sete dias - desde que a recomendação foi publicada, nessa terça-feira (10) - para encaminhar ao Ibama os documentos que comprovem a destinação de outras 25 capivaras que estavam em cativeiro, com a adoção dos cuidados recomendados em reunião realizada nessa segunda (9).

“A captura das capivaras não previu a esterilização destes animais como instrumento eficaz para interromper a sua procriação e também como prevenção da febre maculosa. Esses animais são extremamente frágeis e não estão acostumados a ficar presos. Em dezembro houve uma seca muito intensa e esses animais ficaram sem acesso à lagoa da Pampulha. Estamos falando de animais semi-aquáticos, então a nossa preocupação aumentou ainda mais”, explica a integrante do Movimento Mineiro pelos Direitos dos Animais (MMDA), Adriana Araújo.

Para entender o posicionamento da entidade de proteção aos animais contra a reclusão das capivaras sem destinação clara, clique aqui para ler a reportagem do portal O TEMPO, que foi ao ar na última sexta-feira (6).