Morador de rua põe fogo no rosto da companheira no Santa Efigênia

Homem de 21 anos jogou álcool e acendeu depois de uma discussão por ela não aceitar que ele estivesse usando drogas

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Suspeito foi até o João XXIII e acabou detido por um investigador
Leonardo Alvarenga/Web Repórter
Suspeito foi até o João XXIII e acabou detido por um investigador

Após a mulher reclamar por ele estar consumindo uma pedra de crack, um morador de rua de 21 anos jogou álcool e ateou fogo no rosto de sua companheira, na manhã desta quarta-feira (11), no bairro Santa Efigênia, na região Leste de Belo Horizonte. 

De acordo com a Polícia Militar (PM), a lesão corporal aconteceu na rua Pasteur, quase na esquina com a avenida Alfredo Balena, praticamente em frente ao Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. A corporação foi acionada por um investigador da Polícia Civil (PC) que trabalha na unidade hospitalar. 

A vítima, de 35 anos, chegou sozinha ao hospital com queimaduras no rosto e no pescoço. Questionada pelo investigador, ela revelou que quem fez aquilo foi o seu companheiro. Após ver que a mulher já estava sendo atendida, o policial civil resolveu ficar na portaria aguardando para ver se o autor compareceria pedindo notícias de sua mulher.

Assim que o suspeito chegou ao hospital, ele foi abordado e confessou que cometeu o crime durante uma discussão. Diante disso, o policial civil acionou a PM, que deu voz de prisão em flagrante por lesão corporal ao morador de rua. Em conversa com a vítima, os policiais foram informados de que o motivo da discussão seria que o homem estava fumando crack e ela não aceitava a sua atitude. 

A vítima também contou que as chamas só não se espalharam para suas roupas por conta da ajuda de um homem, que trabalhava montando andaimes próximo do local e usou um cobertor para abafar as chamas.

A ocorrência seria encerrada na Delegacia Especializada de Plantão de Atendimento à Mulher.

Leia tudo sobre: MORADOR DE RUAFOGOROSTOCOMPANHEIRASANTA EFIGÊNIARUA PASTEURCHAMASQUEIMADAÁLCOOLJOÃO XXIII